Palocci não prevê aumento de preço com mudanças na tributação

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse hoje que não acredita que as mudanças tributárias, previstas na Medida Provisória 232, possam provocar aumento de preços para alguns setores da economia. Segundo o ministro, afirmações como essa não encontram respaldo numa mínima avaliação dos dados reais. Na avaliação dele é preciso ter mais "serenidade e clareza" nessas contas.O ministro também afirmou que o governo está "devolvendo" à sociedade, na forma de desoneração de tributos, o excesso de arrecadação que teve em 2004. "Não nos mesmos impostos que aumentaram, mas em medidas focadas naquilo que consideramos que é mais estimulante para o crescimento equilibrado", afirmou Palocci lembrando, entre essas medidas, o corte de IPI para bens de capital, e as medidas tributárias que favorecem a poupança de longo prazo.Carga tributáriaPalocci, disse ainda que, apesar de todas as avaliações apressadas, a carga tributária do País, em 2004, deve ficar abaixo da verificada em 2002. Palocci reafirmou o compromisso do governo Lula de não elevar a carga tributária no patamar daquele observado no início do seu mandato. Ele ressaltou que o governo está mantendo esse compromisso. "Em 2003, apesar das vozes contrárias, quando o número real saiu, se mostrou que a carga tributária caiu", disse. Ao ser questionado sobre a arrecadação recorde da Receita Federal em 2004, o ministro ponderou: "O País teve a maior arrecadação. Mas o País teve também o maior crescimento dos últimos anos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.