Palocci prefere crescimento lento com inflação controlada

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse hoje que os indicadores do Produto Interno Bruto (PIB) continuam positivos e defendeu a política monetária adotada pelo Banco Central. Segundo ele, a defesa da renda e do salário do trabalhador é o que pode garantir um crescimento sustentável. "Não podemos ver o combate à inflação como um dado ruim para a realidade", disse.Segundo o ministro, por mais que se exija um esforço grande, o combate à inflação é necessário. Palocci argumentou que o governo prefere um crescimento da economia de forma mais lenta mas com controle da inflação do que números de crescimento elevados com uma inflação descontrolada.Ontem, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que o PIB cresceu 0,3% no primeiro trimestre de 2005 em relação ao quarto trimestre de 2004, na série com ajuste sazonal, que tira os efeitos das variações típicas dessa época do ano. Segundo o IBGE, na comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento do PIB foi de 2,9%. Em 12 meses, o aumento foi de 4,6%.Preocupação com investimentosJá os investimentos, representados pelo índice Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), tiveram queda de 3% no primeiro trimestre deste ano em relação ao quarto trimestre de 2004. Palocci destacou que esta queda nos investimentos registrada no primeiro trimestre é um fator natural."Os investimentos são o primeiro fator que reage às restrições de uma política monetária", disse, argumentando que os investimentos também são o primeiro a reagir quando houver uma acomodação dessa política monetária. Desse modo, "não são negativos os números relacionados aos investimentos", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.