Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Palocci reafirma política monetária e diz que BC não errou

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, reafirmou hoje que a política monetária brasileira não será alterada. Segundo ele, a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada ontem, deixou bem claro que o ritmo da queda dos juros deverá ser mantido. Palocci disse que não rejeita o debate sobre a política monetária, mas frisou que não avalia que haja um erro na ação do BC.Palocci ressaltou que a política monetária tem sido muito eficiente nos últimos anos. "Mas é preciso levar em conta que a política monetária presta serviços ao País com custos, tem efeitos colaterais. Por isso, o debate sobre a intensidade da política monetária e outras políticas da área econômica é legítimo." Ele observou, no entanto, que "a política monetária não deve mudar apenas por causa de um trimestre". Segundo ele, não há um indicador de que a queda do PIB é sustentável.Risco Brasil no patamar mais baixoO ministro afirmou ainda que a queda recorde do risco Brasil - taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro na capacidade de pagamento da dívida do País - mostra que o investidor estrangeiro está apostando no Brasil no longo prazo. "Isso significa menos juros cobrados sobre a dívida externa brasileira", disse. Segundo ele, se o País continuar a trajetória de melhora de sua economia, haverá também impacto positivo sobre as taxas de juros domésticas.O risco Brasil é um prêmio que o investidor pede para negociar os títulos do País. Ela é definida pela capacidade de pagamento da dívida. Ou seja, se o investidor acredita que o risco de calote é grande ele pede um prêmio maior, o que pressiona para cima o risco Brasil Quanto menor é esta taxa, portanto, menores são os juros que o Brasil precisa pagar para negociar os seus títulos.

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2005 | 16h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.