Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Palocci volta a descartar sugestão de Mercadante

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, voltou a discordar das propostas do líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante, ao descartar a hipótese de taxar capitais de curto prazo, como defendeu na terça-feira Mercadante. "Pode ser que estejam discutindo este assunto no Senado, mas na Fazenda não estamos discutindo este assunto", disse. Os dois já haviam dado afirmações conflitantes sobre a necessidade de o Banco Central intervir no mercado de câmbio por causa da queda do dólar.Segundo Palocci, medidas para regular a entrada de capitais ou acelerar o processo de ampliação dos prazos desses capitais poderiam prejudicar o ingresso de recursos no País. Palocci disse que se os agentes analisarem a captação de recursos no exterior nos últimos meses, poderá verificar que esses financiamentos estão passando de curto prazo para longo prazo. "É um movimento natural. Qualquer país do mundo quando você faz um ajuste depois de um choque, o primeiro momento desse ajuste se dá com capital de curto prazo." Palocci disse que os prazos de captações devem continuar se alongando porque o governo manterá a consistência na política econômica. "O governo brasileiro tem demonstrado isso, não há necessidade, por tanto, de você interromper um movimento natural."

Agencia Estado,

07 de maio de 2003 | 15h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.