Panaftosa investiga se rebanho da Vezozzo foi vacinado

Nos próximos dias, o Centro Panamericano de Febre Aftosa (Panaftosa) deve divulgar resultado de exame que indicará se o rebanho da Fazenda Vezozzo foi vacinado ou não contra febre aftosa. Um foco da doença foi descoberto na propriedade, localizada no município de Eldorado, em Mato Grosso do Sul. A informação é do diretor do Panaftosa, Eduardo Correa.Uma das suspeitas é que o proprietário da fazenda não tenha vacinado o rebanho de 582 cabeças. De acordo com o dirigente, a análise será encaminhada ao Ministério da Agricultura.Ele reafirmou que exames feitos pelo Panaftosa, que tem sede no Rio de Janeiro, comprovaram que o rebanho da fazenda estava contaminado com o tipo O1 positivo. Testes realizados pelo Ministério da Agricultura comprovaram a contaminação dos animais por febre aftosa.O segundo teste, feito pelo Panaftosa, comprovou o tipo do vírus. "Esse é um tipo de vírus comum na região", contou. Ele acrescentou que o ministério informou ao Panaftosa a suspeita de um novo foco, em Japorã, também no Mato Grosso do Sul. "Ainda não há confirmação", disse. SugestãoEspecialistas defendem que o Brasil doe vacinas para os países vizinhos como forma de conter e acabar a febre aftosa no continente. Até 2003, essas doações foram feitas. Em março de 2003, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez, durante visita à feira de Campo Grande, a doação de 1 milhão de doses de vacinas ao Paraguai e outras 500 mil à Bolívia. Em dezembro do mesmo ano, outro lote de um milhão de doses da vacina foi doado para a Bolívia e 500 mil para o Paraguai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.