Panamericano bloqueia CDB de 700% ao ano

Nova administração do banco vai à Justiça para não pagar títulos que rendiam muito acima do mercado. em esquema considerado fraudulento

MONICA CIARELLI / RIO , O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2011 | 03h04

A nova administração do Banco Panamericano conseguiu bloquear na Justiça o pagamento de quatro Certificados de Depósito Bancário (CDBs) que, juntos, somariam R$ 22 milhões. Os títulos fazem parte de um esquema de fraude já identificado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) envolvendo operações que beneficiavam o empresário e investidor Adalberto Salgado Júnior.

O advogado Sérgio Bermudes, que representa a nova administração do banco, conta que, além desses quatro títulos que venciam ontem, Salgado Junior teria montado um esquema que incluiu ainda outros 20 CDBs com vencimentos que vão até 2027. Se resgatados hoje, esses títulos pagariam R$ 5 bilhões.

O caso foi parar na 19ª Vara Civil de São Paulo. No processo, além do bloqueio, Bermudes pede a nulidade de todas as operações envolvendo o Panamericano e Salgado Junior.

O relatório da Coaf apontou que o banco ofereceu ao investidor pagar juros de quase 700% por ano nessa aplicação, quando a remuneração média desse título não ultrapassa os 12% ao ano.

"Isso é um escândalo, um absurdo. Ninguém paga juros tão altos assim. O esquema de fraude que foi criado é criminoso", afirmou Bermudes, ao revelar que vai encaminhar o caso para análise do Ministério Público.

O esquema criado por Salgado Junior funcionava como uma espécie de ciranda financeira, com o grupo capitaneado pelo investidor comprando os CDBs e resgatando os títulos antecipadamente. Sempre recebendo juros muito acima dos praticados pelo mercado financeiro.

Além dos quatro CDBs que tiveram o pagamento bloqueado pela Justiça, o grupo ainda tinha outros 20 títulos com vencimento até 2027.

O relatório da Coaf enviado à Polícia Federal faz parte do inquérito que investiga o rombo de R$ 4,3 bilhões no banco que integrou o Grupo Silvio Santos.

Para a PF, a remuneração excepcional, da qual foi beneficiário o empresário e investidor Adalberto Salgado Júnior, "indica que possa ter sido ele (cliente) usado para o desvio de verbas do banco pelos administradores (do Panamericano)".

No relatório de 13 páginas, a Coaf informou que em janeiro de 2007, ele declarou bens que somavam R$ 18,2 milhões.

No mesmo ano, fez duas atualizações cadastrais. Em julho, elevou seu patrimônio para R$ 26,29 milhões e, em setembro, alegou possuir R$ 85,7 milhões.

E-mails. A Polícia Federal capturou 17 e-mails trocados entre os principais dirigentes do banco, Rafael Palladino, ex-diretor superintendente, e Wilson de Aro, ex-diretor financeiro. A série de e-mails trata da "operação Salgado Júnior".

A maior parte das mensagens foi postada entre 16 e 17 de dezembro de 2009 e 27 e 28 de janeiro de 2010.

Elas revelam a inquietação da cúpula do Panamericano com os resultados do negócio e a iminente fiscalização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.