Pandemia traz à tona o papel do BB

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Conteúdo Patrocinado

Pandemia traz à tona o papel do BB

Banco do Brasil tem desempenhado papel crucial no apoio às microempresas e empresas de pequeno porte e no repasse de recursos emergenciais para os trabalhadores do setor cultural

Anabb, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

13 de setembro de 2020 | 05h00

Em um momento em que o Governo Federal fala em privatização dos bancos públicos, o coronavírus trouxe à tona a importância dessas instituições como ferramenta estratégica para evitar o solavanco da economia em tempos de crise.

Isso porque a tendência dos bancos privados é se retrair. “Em vez de ajudarem a dar uma boia a quem está se afogando, eles empurram para o fundo”, diz o economista Sérgio Mendonça, ex-diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Ele se junta ao coro de economistas – composto por Monica de Bolle, da universidade Johns Hopkins, e Delfim Netto, ex-ministro da Fazenda – que apontam os bancos públicos como instrumento decisivo em épocas de tormenta.

O Banco do Brasil (com 36% de participação) e a Caixa Econômica (com 26%) lideram os empréstimos concedidos pelo Pronampe, programa de apoio ao segmento de micro e pequenas empresas, que responde por mais de 52% dos empregos com carteira assinada no Brasil. Já o maior banco privado do País respondeu por 16% dos empréstimos até 31 de agosto.

Privatização do Banco do Brasil seria um golpe para o agronegócio

As projeções indicam que o agronegócio deve ser o único segmento a fechar com PIB positivo neste ano. Mas o setor não seria a potência que é sem o apoio de longa data do Banco do Brasil, o que traz à tona a discussão de sua privatização. “O BB responde por 60% do crédito concedido à agricultura empresarial e por 80% do montante destinado à agricultura familiar, sendo que este último segmento pouco interessa aos bancos privados”, finaliza Reinaldo Fujimoto, presidente da Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.