Pão francês é campeão de irregularidade no Estado

Pesquisa da cesta básica realizada pelo Instituto de Pesos e Medidas (Ipem-SP) revelou que o pão francês foi o produto que apresentou maior irregularidade entre as mercadorias analisadas na segunda quinzena de março. O Ipem, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, verificou um total 3.902 produtos variados e apenas 53, ou 1,36%, estavam irregulares quanto ao peso. Na capital, a Panificadora e Confeitaria Povoa Ltda. foi a responsável pela maior irregularidade, com 5 gramas a menos (10%) no pão francês de 50 gramas obrigatórios. O pão do estabelecimento Jonny de Oliveira Ltda., em São José dos Campos, foi o campeão do Estado, com diferença de 21,24% em relação ao peso padrão (10,62 gramas). O estabelecimento Odete Joana Hernandes Seribelli, em Presidente Prudente, estava com o pão com peso 13,24% menor do que o padrão, o que corresponde a 6,62 gramas. Em Campinas, as amostras colhidas da empresa Pães e Doces Dori Ltda. apontaram um erro de 16,90% no peso (8,90 gramas). Gás de cozinha O Ipem encontrou também irregularidades no gás de cozinha. O bujão da Copagás Distribuidora de Gás Ltda. apresentou 118 gramas menos que o conteúdo declarado de 13 quilos, o que representa 0,91%. Em Ribeirão Preto, o Leite Pasteurizado Padronizado Homogeneizado Coonal da Cooperativa Nacional Agroindustrial Ltda., foi outro produto irregular, com 10,7 mililitros a menos por litro. O Biscoito Recheado Chocolate Bi Delícia Mabel da Cipa Industrial Alimentares Ltda. também estava abaixo do peso nas amostras colhidas em São José do Rio Preto. Os pacotes de 150 gramas estavam com 8,20 gramas a menos, uma redução de 5,47% no peso declarado na embalagem. De acordo com o Ipem, os proprietários ou responsáveis pelos produtos com irregularidades verificadas têm 15 dias para apresentar defesa junto à superintendência do Instituto. Após uma análise jurídica e administrativa, o Ipem estipula uma penalidade, que vai de uma advertência ao pagamento e multas de até R$ 50 mil, dobrando na reincidência.

Agencia Estado,

10 Abril 2006 | 17h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.