Pão industrial está 14% mais caro

O consumidor já começa a pagar 14% mais pelo pão industrializado. O aumento do preço resulta do fato de a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo ter especificado que o pão que entra na cesta básica é o francês ou de sal e, portanto, só esse tipo de produto pagará imposto menor de 7%, ante 18% de alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Com isso, as indústrias de pães industrializados já começaram a repassar esse aumento para os preços pagos ao consumidor.A assessoria de imprensa da Secretaria da Fazenda informa que a alteração no texto do regulamento da cesta básica ocorreu porque dava margem a uma interpretação dúbia, que permitia o enquadramento de outros tipos de pães. A mudança na redação do regulamento ocorreu porque foram detectados indícios de concorrência desleal. Enquanto existiam indústrias que recolhiam o imposto pela alíquota de 18%, outras pagavam 7%, o que provocava uma distorção na concorrência. Depois de especificar o tipo de pão incluído na cesta básica, a assessoria da Secretaria da Fazenda informa que está enviando um projeto para Assembléia Legislativa para reduzir de 18% para 12% o ICMS sobre o preço do pão industrializado.Empresários acreditam na queda das vendasO diretor da Wickbold, Ronaldo Wickbold, diz que está reajustando os preços esta semana em 14% por causa da mudança de alíquota. A diretora-geral da Pullman e Plus Vita, Lina Paes de Barros, confirma que o aumento no preço ao consumidor será de 14%. Lina e Wickbold acreditam que esse reajuste provocará uma retração nas vendas, uma vez que o consumo de pão, um produto básico, é sensível a mudanças no poder aquisitivo.Além do aumento da alíquota do ICMS, os fabricantes informam que estão tendo outras pressões de custo, como a alta registrada no preço do açúcar, na farinha de trigo e nos combustíveis. Nas contas de Wickbold, o impacto desses aumentos no preço oscila entre 6% e 8%. "Não vamos reajustar os preços agora e vamos aguardar o fim do ano", diz o empresário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.