Papéis da Caemi e CSN em alta

Além das previsões para a economia, o Santander Central Hispano Investment também levou em conta as reestruturações societárias para compor sua carteira de recomendações. Os destaques, segundo o analista chefe, Alexandre Gartner, são a Caemi e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).No caso da siderúrgica, ele espera que a definição sobre suas participações com a Companhia Vale do Rio Doce ocorra em breve. Na opinião do analista, a CSN poderá distribuir dividendos substanciais a seus acionistas após a conclusão do negócio. A recomendação é de compra, com preço alvo de US$ 47,00 por ação, num prazo de 12 meses. Esse valor indica que o papel pode subir 29,69%.Gartner também tem recomendação de compra para a Caemi, com preço-alvo de US$ 160,00 por ação, a ser atingido em 12 meses. Se a projeção do analista se concretizar, o papel da Caemi deve ter ganho de 15,17%. Ele lembra que a companhia é a segunda maior exportadora e produtora brasileira de minério de ferro depois da Vale do Rio Doce e sua consolidação no mercado internacional deve continuar chamando atenção no segundo semestre do ano. "Isso pode gerar novos movimentos relacionados à estrutura acionária da Caemi", diz.A companhia é controlada pela japonesa Mitsui (40%) e pela família Frering (60%). Comenta-se no mercado que a Anglo Americana poderia comprar a fatia da Mitsui na Caemi. Gartner cita que, em um cenário de aquisição, o preço-alvo é conservador e explica que, caso seja considerado o preço médio pago pela Vale do Rio Doce para adquirir a mineradora Samitri, o valor da Caemi pode chegar a US$ 200,00 por ação.Segundo o analista, a demanda interna e externa levou a ganhos nas vendas e aumentos de preços na indústria de minério de ferro. A projeção é de nova alta de preços em 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.