Para 54% dos brasileiros, globalização aumenta pobreza

Pesquisa realizada com 25 mil pessoas em 25 países, inclusive no Brasil, mostra que a preocupação com o desemprego, a pobreza e o meio-ambiente são os efeitos da globalização mais temidos pela opinião pública mundial. Nada menos do que 46% dos ouvidos na pesquisa, conduzida pela consultoria Environics International e divulgada durante o Fórum Econômico Mundial, temem pela manutenção do emprego como efeito da globalização nos respectivos países. A piora na qualidade do meio ambiente foi o principal temor apontado por 47% dos pesquisados. E a pobreza foi apontada por 45% dos entrevistados. A pesquisa foi realizada durante os meses de outubro e dezembro do ano passado. No Brasil foram ouvidas 1.000 pessoas. Quando perguntados se a igualdade econômica no mundo vai melhorar ou piorar por causa da globalização, cerca de 50% dos brasileiros responderam que a igualdade vai piora, enquanto 39% disseram que vai melhorar.Nessa questão, a Argentina registrou a opinião mais negativa: 71% dos argentinos ouvidos disseram que a globalização agravará a desigualdade econômica, enquanto apenas 19% disseram que iria melhorar.Também foi na Argentina que os pesquisadores ouviram a maioria das respostas (75%) negativas quanto a uma piora da pobreza e ao aumento dos sem-teto por conta da globalização. No Brasil, 54% acham que a globalização aumentará a pobreza e o número dos sem-teto.Aliás, 73% dos ouvidos disseram que aceitariam pagar 1% a mais de impostos para ajudar os pobres no mundo. Na média dos 25 mil pesquisados em todos os países, 62% disseram ver a globalização como positiva, porém, os que apoiam a globalização estão concentrados nos países do norte da Europa, na América do Norte e nos países mais pobres da Ásia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.