Para a FAO, pressão sobre os preços vai continuar

A FAO prevê que a pressão inflacionária no preço de alimentos vai continuar em 2011. Segundo a entidade, os preços mundiais já atingiram um pico em dezembro, superando o momento mais crítico da crise de alimentos em 2007 e 2008.

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2011 | 00h00

Se especulação, biocombustíveis e aumento da demanda são motivos da alta dos preços, a FAO destaca que as safras em algumas partes do mundo também contribuem para a crise.

Uma colheita de cana abaixo do esperado no Brasil e enchentes na Austrália podem explicar o maior preço do açúcar em 20 anos.

O impacto do fenômeno La Niña na Argentina também teria afetado a soja e milho. Já a seca nos EUA e o fogo na Rússia afetaram a produção de trigo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.