Para Abdib, financiamento é o principal gargalo do País

Se o País não encontrar formas alternativas de financiamento, não haverá condições de desenvolver a infra-estrutura necessária para permitir o desenvolvimento econômico. A declaração foi feita hoje pelo presidente da Associação Brasileira da Infra-Estrutura e Indústria de Base (Abdib), Paulo Godoy. "Identificamos como o principal gargalo a questão do financiamento", disse Godoy.Preocupada em encontrar formas alternativas para financiar os projetos de energia elétrica, a Abdib reuniu-se, na manhã de hoje, com David Zylbersztajn e seus sócios na estruturação do Fundo Eco Energia, para discutir as características do fundo, criado para captar recursos destinados ao financiamento de empreendimentos do setor elétrico.Segundo Zylbersztajn, ex-secretário de Energia de São Paulo e ex-diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o fundo "é uma alternativa complementar, não é a salvação de nada". Mas, segundo ele, pode ser uma opção para quem quiser investir em geração própria de energia ou mitigar riscos na comercialização de energia.Características do fundoO Eco Energia, destinado a investidores qualificados, como os fundos de pensão, tem como características básicas o direcionamento para projetos de geração de pequeno porte, de fontes renováveis de energia. Segundo Zylbersztajn, o fundo tem duas possibilidades de alavancagem: o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia (Proinfa) e o mercado de créditos de carbono.Zylbersztajn disse ainda que a expectativa é captar R$ 120 milhões até novembro próximo. A cota mínima é de R$ 100 mil e a rentabilidade esperada fica em IGP-M, mas 15% a 20% por ano, segundo o consultor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.