Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Para analista, 'momento é pior que em 2001'

As críticas do cientista político não se restringem somente à gestão de Dilma Rousseff, mas também a outros gestores, como o governador reeleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)

O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2015 | 02h02

O apagão ocorrido nesta segunda-feira em alguns Estados do País acende mais uma luz amarela para a gestão da presidente Dilma Rousseff (PT), que enfrenta um ano de crise na economia. Na avaliação do cientista político e professor do Insper Carlos Melo, o problema hoje é muito maior se comparado ao cenário ocorrido na gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que precisou criar até uma Câmara de Gestão da Crise de Energia, em maio de 2001. "Ao contrário do que ocorreu no governo FHC, quando a economia estava em crescimento e vivia um clima positivo, hoje a situação é de crise e o momento, muito pior", disse Melo.

As críticas do cientista político não se restringem somente à gestão de Dilma Rousseff, mas também a outros gestores, como o governador reeleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em razão da crise hídrica no Estado. "Em 2012 já se sabia da crise da água e da crise de energia, mas essas questões foram deixadas de lado por aspectos políticos. Agora, estamos enfrentando todos esses problemas, que poderiam ter sido evitados se houvesse gestão e gerenciamento". / ELIZABETH LOPES

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.