Para analistas, baixas nas bolsas são correções necessárias

Analistas da bolsa de Hong Kong avaliam que as fortes quedas das bolsas chinesas não se devem à preocupação dos investidores com as medidas econômicas que serão introduzidas pelo governo chinês, e sim ao fato de que o mercado cresceu muito rapidamente e precisava de uma correção.Segundo a imprensa local, os boatos sobre novas medidas, como um imposto sobre lucro de capital, para conter a perigosa bolha da bolsa, seriam um dos motivos da queda das bolsas chinesas.No entanto, os gerentes de fundos acham que o "pânico" das medidas do governo chinês não são a razão real. Para ele, as ações dos pregões chineses estavam supervalorizadas e os investidores decidiram realizar lucros, usando os rumores como "desculpa".A análise dos analistas prevê que as ações de Hong Kong devem ser saneadas por uma correção, já que o mercado teve uma forte alta sem consolidação.Outros minimizam a queda dizendo que o fenômeno é algo que pode acontecer num mercado que em questão de 24 horas volta a subir. Mas acrescentam que se o padrão mudar o mercado não terá a força necessária para reagir e então "cairá rapidamente".Alguns acreditam que a queda em Xangai não durará muito, mas crescerá a volatilidade do mercado das ações.O índice geral de Xangai, que tinha subido 1,4% na segunda-feira, fechando acima dos 3.000 pontos pela primeira vez, caiu 8,84% na terça-feira, para 2.771,79, a maior queda percentual em um dia desde fevereiro de 1997. A Bolsa de Shenzhen caiu 797,87 pontos (9,29%), até 7.790,82.A queda influenciou a Bolsa de Hong Kong, especialmente as companhias chinesas que cotam na ex-colônia, onde o índice "H" perdeu 303 pontos. O Hang Seng caiu 360,08 (1,76%), para 20.147,87.Alguns analistas acham que o pregão desta quarta-feira será crítico. O Hang Seng abriu com queda de 720,92 pontos, (3,58%), até 19.426,95.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.