Para analistas, banco juntou discurso e ação

Para analistas, a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada ontem mostra que o Banco Central resolveu realmente centrar esforços contra o aumento da inflação. Segundo o codiretor de pesquisas para a América Latina do Barclays, Marcelo Salomon, a ata "foi muito consistente ao mostrar a preocupação do BC" com a piora do cenário de inflação, o que justificou o fato de o banco ter acelerado em maio pela primeira vez o processo de alta de juros no governo Dilma.

RICARDO LEOPOLDO , FERNANDO TRAVAGLINI, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2013 | 02h07

Para ele, o conteúdo do documento forma um conjunto harmonioso de "ação e explicações", sobre a condução da política monetária e se tornou "um passo muito importante" para o resgate da credibilidade do BC entre os agentes econômicos. "Em razão desse atuação positiva do BC, a curva de juros futura de 4 a 5 anos deverá baixar, pois naturalmente vai diminuir a apreensão do mercado com a inflação", ponderou.

Graças à ação do BC de atacar de frente a inflação, Salomon aponta que faz sentido o mercado apontar que o ciclo da Selic neste ano deve registrar mais três altas, sendo duas elevações de 0,5 ponto porcentual e uma última de 0,25 ponto porcentual, o que levaria a taxa de juro a 9,25% neste ano. Para Salomon, contudo, o aperto monetário terá de ser um pouco mais forte, porque a política fiscal é expansionista e contribui para as pressões de alta da inflação.

Odair Abate, estrategista-chefe do Votorantim Private Bank, também acredita que, com a decisão unânime de elevar a Selic em 0,5 ponto porcentual, seguida por uma ata com tom firme, o Banco Central conseguiu alinhar discurso e ação, reforçando sua credibilidade no mercado. Segundo ele, "o BC tomou a decisão na hora e na magnitude correta, se posicionando à frente da curva".

Ele pondera, no entanto, que ainda é preciso verificar se essa melhor percepção vai se refletir nas expectativas inflacionárias. Além disso, diz ele, com essa postura mais dura do BC, se o Copom em julho não decidir por nova alta de 0,5 ponto porcentual, é possível que ação e discurso se desencaixem novamente. Abate acredita em Selic de 8,75% no fim do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.