Para analistas, Lula chega enfraquecido em Viena

Há dois anos, quando os cerca de 60 líderes europeus e latino-americanos se reuniram em Guadalajara, no México, para a última Cúpula entre União Européia (UE), América Latina e Caribe, o presidente brasileiro era recebido como o "líder natural da região" - expressão usada pelo primeiro-ministro espanhol, Jose Luis Zapatero, na época."O Brasil exercia uma liderança regional importante, mas, no último ano, tem perdido esse papel porque Chávez tem disputado com Lula", afirma o especialista em Mercosul da London School of Economics Francisco Panizza."As pretensões de líder que o Brasil tinha já afundaram, não pode se dizer com seriedade que Lula é um líder regional, líder regional é o Chávez", diz o economista-chefe da consultoria britânica Anchorage Capital Partners, Pedro Souza Leão Regina.Esquerda responsávelMesmo que tenha perdido importância como porta-voz da região, em contraposição aos governos de Chávez e do boliviano Evo Morales, o presidente brasileiro foi reafirmado aos olhos europeus como o líder da "esquerda responsável" da América Latina. Pelo menos é isso que indica o discurso do comissário de Comércio da União Européia, Peter Mandelson."O Brasil deve ser visto como uma rocha em democracia e economia dentro da América Latina, com uma influência dominante no continente que não mudará", disse Mandelson, em entrevista à BBC Brasil.Mas, na opinião do analista Leão Regina, para manter boas relações com a Europa e EUA e obter ganhos no cenário internacional, o Brasil deve reforçar as diferenças em relação à Venezuela e Bolívia e investir no aumento da sua influência em organizações como a ONU e a OMC.Ele argumenta que as crises na América Latina apenas mostram que o Brasil deve ?voltar à sua vocação natural? de potência multilateral e abandonar o projeto de liderar uma região que, na sua visão, é composta de ?países muito diversos sem grandes ligações históricas nem comerciais?."O Brasil precisa acordar para o fato de que os latino-americanos não estão preparados para tê-lo como líder e cuidar dos seus próprios interesses", afirma.Acordos Panizza, da LSE, lembra que Chile e México já têm acordos bilaterais com a União Européia e o Mercosul está a quatro anos tentando negociar um semelhante. Em 2004, a expectativa em Guadalajara era que até outubro daquele ano os dois blocos lançariam negociações para a maior área de livre comércio do mundo.O ano de 2004 também foi marcado pela liderança do Brasil no G20, grupo formado para pressionar europeus e americanos a fazer mais concessões nas negociações de liberalização do comércio na OMC (Organização Mundial do Comércio).De lá para cá, porém, esse grupo também perdeu força e sucessivos prazos têm sido descumpridos, sem nenhum sinal de acordo. Destravar as negociações é, aliás, o objetivo declarado do governo brasileiro nessa cúpula.Fontes diplomáticas dizem que Lula pretende se reunir com o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, e a premier alemã Angela Merkel, entre outros líderes, para tentar fazer vingar a idéia de uma reunião de chefes de Estado que dê novo impulso à rodada de Doha.Mas, na avaliação de Panizza, o objetivo não deve prosperar não só porque a América Latina não poderá "falar com uma só voz", mas também porque considera que não se trata do fórum ideal para discutir o assunto. Segundo o professor, as concessões das quais dependem o desbloqueio das negociações estão nas mãos de quatro ou cinco países estratégicos e dificilmente seriam feitas num fórum com representantes de 60 países.O economista-chefe da consultoria britânica Anchorage Capital Partners Pedro Souza Leão Regina também acha improvável haver avanços no tema. "A posição do Brasil é conhecida, a de europeus e americanos (que não participam do evento em Viena) também. E o próprio Lula, se quisesse fazer concessões, não as faria num ano eleitoral", afirma Leão Regina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.