Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Para Araújo, ‘não há indício’ de que união com Israel resulte em perdas comerciais com países árabes

Ministro das Relações Exteriores se reuniu nesta segunda-feira, 8, com conselheiros da Fiesp

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2019 | 12h19

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, defendeu nesta segunda-feira, 8, em reunião com conselheiros da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a aproximação do Brasil com Israel e negou que a união resulte em perdas comerciais ao País.

"Não há nenhum indício que aproximação de Israel resulte em perdas comerciais com países árabes", afirmou. "Isso (perda de mercado) não está acontecendo, e as pessoas continuam falando nisso. Temos certeza que isso não está acontecendo."

A aproximação entre Brasil e Israel é alvo de críticas de países árabes e exportadores brasileiros, que temem perda de mercado, especialmente no segmento de proteína animal.

Para Araújo, no entanto, o novo cenário não significa menor relação com países árabes. Ele citou, por exemplo, que está em conversas com fundos de investimento dos Emirados Árabes Unidos e que este país quer intermediar a aproximação comercial do Brasil com a Índia

Acordo de Paris

O ministro também teceu críticas ao Acordo de Paris, durante o encontro. Para ele, os compromissos assumidos pela agenda climática podem prejudicar o agronegócio brasileiro.

"O Acordo de Paris tem em si um viés antiagrícola. Se não tomarmos cuidado, ele pode punir o agronegócio brasileiro", afirmou. De acordo com Araújo, ele já manifestou a preocupação ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. "Estamos na mesma página em relação a isso", disse.

Na sequência, o chanceler criticou organismos multilaterais. Ele disse ser "muito crítico à perspectiva do Itamaraty como representante da ONU no Brasil". "Nós (diplomacia) estamos aqui para trabalhar pelo Brasil", afirmou. 

Reforma da OMC

Na ocasião, o ministro garantiu ainda que a diplomacia brasileira quer contribuir para a reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC).

A reforma da OMC é uma das principais demandas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. De acordo com Araújo, já foram debatidos no âmbito da reforma da OMC a "questão agrícola e solução de controvérsias".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.