José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Para Barbosa, ajuste passa por flutuação cambial maior e elevação do superávit primário

"O primário tem que ir a um nível de 2% do PIB (Produto Interno Bruto) num período de 2 anos; no mínimo dois anos, talvez até mais", disse

REUTERS

15 de setembro de 2014 | 17h23

Um ajuste na economia brasileira terá que contemplar maior flutuação do câmbio e aumento gradual da meta de superávit primário, disse nesta segunda-feira o economista e ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda Nelson Barbosa.

"O principal ajuste é promover uma flutuação maior do câmbio. Isso significa que o câmbio vai se depreciar um pouco mais e a medida da depreciação vai depender do quanto se avançar na questão fiscal", disse ele ao participar de evento realizado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo.

Barbosa, cujo nome é um dos que mais circulam no governo para suceder Guido Mantega no Ministério da Fazenda caso a presidente Dilma Rousseff (PT) seja reeleita, avaliou que um aumento rápido da meta fiscal não é sustentável.

"O primário tem que ir a um nível de 2 por cento do PIB (Produto Interno Bruto) num período de 2 anos; no mínimo dois anos, talvez até mais", disse. Ele destacou que o mais importante nessa tarefa é melhorar a previsibilidade da política macroeconômica.

Mais cedo, ao participar do mesmo evento, Mantega havia dito que é preciso ter superávit primário maior em 2015 para que se dê suporte ao Banco Central para flexibilizar a política de juros no país.

A meta de superávit do próximo ano é de 114,7 bilhões de reais, correspondente a 2 por cento do PIB, já considerando o abatimento de 28,7 bilhões de reais em gastos com investimento.

Neste ano, a meta fiscal de 99 bilhões de reais, equivalente a 1,9 por cento do PIB está ameaçada. Nos 12 meses encerrados em julho, essa economia de gastos para o pagamento dos juros da dívida pública estava em apenas 1,22 por cento do PIB.

(Reportagem de Renan Fagalde)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCONTASPBLICAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.