Para BC da China, yuan não deve continuar se desvalorizando

O presidente do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês), Zhou Xiaochuan, afirmou que não há base para uma desvalorização contínua do yuan.

O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2016 | 03h00

Em entrevista publicada neste final de semana pela revista chinesa Caixin, Xiaochuan afirmou que a China tem sido alvo recente de especuladores, mas que o país “tem as maiores reservas do mundo e não irá deixar que o sentimento do mercado seja dominado por forças especulativas”.

As declarações do dirigente chinês acontecem no momento em que as bolsas locais se preparam para abrir após a pausa de uma semana por causa das comemorações do Ano Novo Lunar. Por causa da forte volatilidade nas praças globais na semana passada, há uma expectativa sobre como os mercados chineses voltarão a operar.

“É normal que as reservas internacionais subam e caiam, contanto que os fundamentos não sejam colocados em risco”, disse, acrescentando que o mercado tinha uma expectativa irrealista sobre a estabilidade do yuan, pois a moeda esteve “muito estável nos últimos anos”. Xiaochuan acrescentou que o PBoC não tem intenção em impor mais controles de capital.

Mais conteúdo sobre:
China

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.