Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Para Bernanke, EUA não estão enfrentando uma estagflação

O chairman do Federal Reserve, dissenesta quinta-feira que os Estados Unidos irão evitar um períodode estagflação similar à dos anos 1970, mas admitiu que apressão sobre os preços globais pode complicar os esforços dobanco central de reerguer a economia. "Eu não antecipo uma estagflação", disse Bernankerespondendo a perguntas no Comitê Bancário do Senado. "Eu nãoacho que estejamos nem perto da situação que ocorreu nos anos1970. Eu espero que a inflação desacelere." Bernanke, apresentando pelo segundo dia o seu relatóriosemi-anual ao Congresso sobre a saúde econômica, disse que aatual pressão inflacionária se deve à forte demanda global porpetróleo, metais e alimentos. Ele disse que os preços dessascommodities, embora ainda estejam altas, devem se estabilizarnos próximos meses. "Se esse for o caso, então a inflação deve desacelerar enós teremos, consequentemente, a possibilidade de responder àdesaceleração do crescimento e aos problemas nos mercadosfinanceiros", disse Bernanke. Mas ele admitiu que a forte pressão nos preços em ummomento em que os preços dos imóveis norte-americanos estãocaindo pode tornar a tarefa do Fed em manter a economiacrescendo ainda mais difícil, especialmente comparada à últimarecessão, em 2001. "Nós temos uma pressão inflacionária maior neste momento doque em 2001", disse Bernanke. "Eu acho que é razoável que tantoa política fiscal quando a monetária enfrentem tensõesadicionais." O banco central norte-americano cortou sua taxa básica dejuro em 2,25 pontos percentuais desde meados de setembro,levando a taxa para 3 por cento, em uma tentativa de colocar umpiso sob uma economia que mostra riscos de entrar em umarecessão. Leituras surpreendentemente altas nos preços paraconsumidores e no atacado, no entanto, fizeram com que algunseconomistas temam que o banco central pode ter ido longe demaisem seus esforços de alavancar o crescimento, levando a umainflação mais alta. QUEDA DOS PREÇOS DOS IMÓVEIS AUMENTA A INFLAÇÃO? Bernanke foi instado a defender a perspectiva do Fed dedesaceleração da inflação após repetir os comentários que haviadivulgado na véspera na Câmara dos Deputados, quando deixouclaro que as autoridades estão preparadas para diminuir aindamais as taxas de juros. "É importante reconhecer que os riscos para o crescimentopersistem", disse ele. "(O Fed) vai avaliar cuidadosamente asinformações que virão sobre as perspectivas econômicas e vaiagir no momento oportuno, do modo necessário, para apoiar ocrescimento e fornecer a garantia adequada contra os risco." Respondendo perguntas no Senado, Bernanke disse que a quedados preços dos imóveis pode estar causando um recuo nos gastosdo consumidor, mas é também uma fonte potencial para a inflaçãodevido ao seu "efeito perverso" de elevar os preços dosaluguéis. "A medida que os preços dos imóveis caem, as pessoas evitamcomprar casas pois temem que os preços continuem caindo, entãoelas alugam", disse Bernanke. "Isto pressiona os aluguéis epode elevá-los."Ele disse também que alguns pequenos bancos podem falir devidoao estresse financeiro iniciado no mercado imobilíario. Aindaassim, ressaltou, o sistema bancário norte-americano se mantémsólido. "Eu acredito que haverá algumas falências", disse Bernanke--comentário que pressionou para baixo os preços das ações. Bernanke disse que é importante para os formuladores depolítica e para o setor de hipotecas que pensem além desoluções de curto prazo para os problemas das hipotecas de altorisco e que procurem soluções de longo prazo. (Reportagem adicional de Joanne Morrison, Emily Kaiser eAlister Bull)

DAVID LAWDER, REUTERS

28 de fevereiro de 2008 | 15h56

Tudo o que sabemos sobre:
MACROBERNANKEATUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.