Para CNI, cenário ruim para a indústria deve continuar em 2015

Indicadores elaborados pela entidade sobre faturamento, horas trabalhadas, uso de capacidade instalada e emprego mostram que o desempenho da indústria foi o mais fraco desde a crise de 2009

Laís Alegretti, O Estado de S. Paulo

03 Fevereiro 2015 | 15h45

Os indicadores que retratam o quadro de atividade da indústria brasileira tiveram em 2014 o pior desempenho dos últimos cinco anos e, para o início de 2015, a expectativa do setor é que o cenário de dificuldade continue. Os dados foram divulgados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e mostram que o faturamento da indústria teve queda de 1,8% em 2014, que foi a maior retração anual desde 2009, quando o recuo foi de 4,8%. O retrato é semelhante ao da pesquisa de produção industrial elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"O quadro da indústria em 2014 foi bastante negativo. O nível de atividade espelha as grandes dificuldades que as empresas brasileiras estão tendo: competição com produtos importados, demanda doméstica mais fraca, e queda do investimento", explicou o gerente de Políticas Econômicas da CNI, Flávio Castelo Branco. "Há uma relação bastante estreita entre a dinâmica da economia brasileira com o desempenho do setor industrial", completou.

A queda nas horas trabalhadas na produção, que foi de 3,7% em 2014, também teve o pior resultado desde 2009, quando a retração foi de 8,0% no ano. Outro indicador que mostrou o pior resultado dos últimos cinco anos foi a utilização da capacidade instalada, que caiu 1,3% em 2014, também teve o pior desempenho desde 2009, quando o declínio foi de 2,7%. 

O emprego na indústria mostrou retração de 0,7% em 2014, também o mais baixo desde a queda de 3,3% em 2009. A massa salarial, apesar de ter apresentado um crescimento de 1,5% no ano passado, mostrou desaceleração e foi o pior resultado desde 2009, quando houve retração de 2,3%. 

Para 2015, a CNI espera que o cenário de dificuldade para o setor continue. "A necessidade de ajustes na política econômica, com foco na reorganização das contas, levou ao aumento de tributação e à elevação de taxa de juros. E esse quadro só agrava as dificuldades do setor industrial", disse Castelo Branco. "As expectativas para os primeiros meses de 2015 são de continuidade do quadro de dificuldade". 

Mais conteúdo sobre:
indústriacni

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.