Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Marcelo Min/Estadão
Marcelo Min/Estadão

Para conter crise hídrica, governo manda reduzir vazão de usinas

Portaria do Ministério de Minas e Energia determina a diminuição imediata do fluxo de água das usinas de Jupiá e de Porto Primavera, em São Paulo e Mato Grosso do Sul

Anne Warth / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2021 | 16h56

Em mais uma medida para tentar conter os impactos da crise hídrica e evitar um racionamento de energia, o governo decidiu reduzir a vazão de duas hidrelétricas na Bacia do Paraná. Portaria publicada pelo Ministério de Minas e Energia (MME) determina a diminuição imediata do fluxo de água das usinas de Jupiá, entre as cidades de Andradina e Castilho (SP) e Três Lagoas (MS), e Porto Primavera, entre Rosana (SP) e de Batayporã (MS).

A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na noite de sexta-feira, 11. A portaria determina que a defluência mínima de Jupiá, da concessionária China Three Gorges Corporation Brasil (CTG Brasil), deverá ser reduzida gradualmente de forma a atingir 2.300 metros cúbicos por segundo (m³/s) em 1º de julho; e a de Porto Primavera, da Cesp, a 2.700 m³/s a partir da mesma data.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, desde a primeira quinzena de maio, a Cesp e a CTG realizam os testes de redução das defluências dessas duas usinas. Jupiá teve a vazão gradualmente diminuída de 3.700 metros cúbicos por segundo para 3.200 m³/s, e Porto Primavera, de 4.300 m³/s para 3.800 m³/s.

Mas, na sexta-feira passada, 4, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) já havia deixado claro em nota técnica que iria recomendar fluxos ainda menores e realizar as tratativas necessárias com o Ibama e a Agência Nacional de Águas (ANA), além das empresas donas das usinas. O objetivo é monitorar e diminuir os impactos para o turismo, pescadores, fauna e meio ambiente.

Há duas semanas, o governo emitiu alerta de emergência hídrica para os cinco Estados banhados pelos rios: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. 

Racionamento

Neste sábado, 12, o Estadão/Broadcast revelou que o governo tem nas mãos uma medida provisória que cria condições para adoção de um racionamento de energia.

 Documentos internos mostram a intenção de criar um comitê de crise - a Câmara de Regras Operacionais Excepcionais para Usinas Hidrelétricas (Care), que terá o poder de adotar medidas como a redução obrigatória do consumo e a contratação emergencial de termelétricas.

 São as mesmas medidas adotadas em 2001, quando a população e as empresas foram obrigadas a diminuir a carga em 20% para evitar o apagão. Publicamente, sempre que questionado, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, tem negado o risco de um racionamento e assegurado o abastecimento.

 Um dos objetivos do comitê é acelerar decisões sobre a mudança de vazão de hidrelétricas de forma imediata, sem aval de outros órgãos e entes que costumam ser consultados, entre eles Estados e municípios. Outra preocupação é evitar responsabilização por processos judiciais em razão dos impactos desse tipo de decisão.

 Os custos das medidas serão pagos pelo consumidor, por meio de taxas na conta de luz, diz a proposta. O texto está sendo analisado em meio à pior crise hidrológica que o Brasil viveu nos últimos 91 anos, sem perspectiva de chuvas nos próximos meses.

“Diante do contexto crítico e excepcional que o País vivencia, para garantir a efetividade das deliberações desse colegiado, com a tempestividade necessária, torna-se premente que essas se tornem excepcional e temporariamente determinativas, podendo prever, inclusive, o estabelecimento de programa prioritário de termeletricidade e de programa de racionalização compulsória do consumo de energia elétrica”, diz a minuta ao qual o Broadcast teve acesso.

 Pela minuta da MP, as usinas do “Programa Prioritário de Termeletricidade”, mesmo nome de um programa criado em 2000 na tentativa de evitar o racionamento decretado no ano seguinte, deverão ser contratadas em leilões como energia ou reserva de capacidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.