Para cortar custos, novo presidente da Oi demite 150 executivos

Para cortar custos, novo presidente da Oi demite 150 executivos

Objetivo é dar agilidade à empresa e colaborar para a redução do peso da dívida, que hoje está em R$ 46 bilhões

MARIANA SALLOWICZ, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2014 | 02h01

Enquanto os principais acionistas da Oi têm se movimentado para incluir a companhia no processo de consolidação do setor, mudanças também têm ocorrido dentro da tele desde a chegada de Bayard Gontijo à presidência, no início de outubro. Na última segunda-feira, um comunicado interno trouxe a notícia da demissão de 150 executivos, entre diretores, gerentes e consultores. Agora, restam cerca de mil executivos na companhia.

O informe, enviado aos funcionários no fim do expediente, dizia que a companhia teria uma nova configuração da equipe executiva em função da mudança na estrutura organizacional, com "aproveitamento de sinergias, simplificação da governança e ênfase nos processos de gestão".

O objetivo de Gontijo, de 43 anos, é garantir agilidade nos processos de decisão e, assim, deixar a companhia mais competitiva para enfrentar o cenário de forte competição do setor. Um fator que pesa negativamente para a Oi em relação às concorrentes é o seu elevado endividamento, de R$ 46 bilhões.

Gontijo está há 11 anos na companhia. Com histórico na área financeira, iniciou sua carreira na empresa como gerente de tesouraria. Desde junho de 2013 é diretor financeiro, cargo que agora acumula com a presidência interina.

Ele criou um grupo que se reúne semanalmente, chamado de comitê de gestão. O objetivo é discutir o negócio da companhia e acompanhar os indicadores de desempenho. Haverá reuniões mensais com resultados. Os cerca de 18 mil funcionários da empresa também passaram a ter metas individuais, em todos os níveis hierárquicos.

Nova fase. O movimento é, na verdade, uma segunda fase dentro das recentes mudanças na companhia. Dias após assumir, em 15 de outubro, o executivo havia divulgado outro comunicado, em que informava a reorganização da estrutura.

O resultado foi uma redução do número de diretorias da empresa, que caíram de 16 para 13. A operadora Portugal Telecom, sob o guarda-chuva da Oi desde maio, também teve mudanças. As diretorias da tele portuguesa foram reduzidas de 12 para 10.

No caso da empresa brasileira, seis diretorias foram transformadas em três. A corporativa (grande clientes e governo) e a empresarial (pequenas e médias empresas) foram integradas e renomeadas de B2B (business-to-business). Já as chamadas segmentos de varejo (desenvolvimento de produtos) e vendas varejo viraram simplesmente varejo. Por fim, as diretorias de operações centralizadas (gerenciamento de rede) e operações de campo se tornaram a diretoria de operações.

Tudo o que sabemos sobre:
Oitelefonia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.