Para Cunha, falta eficiência em algumas áreas do governo

O presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT), defendeu nesta segunda um novo rumo econômico e administrativo para o governo. Para ele, o debate sobre a condução da economia está ganhando força no País "porque em outras áreas estamos mal". Questionado pelo Estado sobre quais são essas áreas, o deputado disse que falta eficiência e gerência em alguns setores, além de programas sociais. João Paulo disse que alguns ministérios "têm recursos para gastar e não o fazem". Mas se recusou a citar quais seriam essas áreas ineficientes. Para ele, que recebeu prêmio por ação parlamentar do Instituto Cultural de Seguridade Social (ICSS), é necessário um novo rumo econômico e administrativo do governo, pois não adianta o Ministério da Fazenda "fornecer dinheiro e não ter como gastar". O deputado ponderou, porém, que é preciso reconhecer a correção da política econômica nos últimos dois anos que, segundo ele, resultou em estabilidade e queda do Risco País, da inflação e dos juros. "Foi importante para ajudar a estruturar a economia". No entanto, ao ser questionado se concorda com as novas altas dos juros, definidas pelo Banco Central, o deputado afirmou que "precisamos dialogar com a Fazenda porque de fato é complicado manter duas pontas da macroeconomia apertadas, com superávit primário elevado e juros muitos altos". O deputado garantiu que há espaço para diálogo com o Ministério da Fazenda, "porque com esses dois mecanismos apertados há redução dos investimentos privados e do Estado". Ainda sobre os rumos da economia brasileira, João Paulo defendeu em discurso para executivos do segmento de previdência privada e fundos de pensão que é preciso uma atenção maior do governo ao mercado interno. "Nossas relações internacionais vão bem, o comércio externo também, se estas relações estão bem, precisamos de um olhar mais forte para o nosso mercado interno, para a poupança de longo prazo, para que dê um lastro maior para o que falamos de boca cheia: crescer e desenvolver".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.