Para Dieese, inflação de 2002 ficará entre 7% e 8%

A inflação para 2002 deve ficar entre 7% e 8%. A expectativa é da coordenadora de preços do Departamento Intersindical de Estatística de Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), Cornélia Nogueira Porto. Se a estimativa de 8% for confirmada, o resultado deste ano será 1,42 pontos percentuais inferior ao de 2001, de 9,42%.Segundo ela, os serviços públicos continuarão puxando os preços para cima neste ano. "A elevação dessas tarifas deverá ser influenciada pelo modo com que as empresas foram privatizadas no governo Fernando Henrique, tendo como índice de reajuste o IGPM, que deverá ficar entre 11% e 12%", afirmou.De acordo com ela, o dólar não deverá influenciar os preços em 2002, já que o impacto da alta do dólar no ano passado já foi precificado. "As empresas não poderão mais utilizar o câmbio como desculpa para subirem os preços de seus produtos e serviços, a não ser que outras altas aconteçam", salientou.Para janeiro, a coordenadora ressalta que o aumento das taxas de matrícula e mensalidades escolares deverá contribuir para alta do Índice do Custo de Vida (ICV) no mês. Até o momento, segundo ela, a variação média dessas taxas é de 8%.Cornélia disse ainda que essa elevação poderá ser compensada por uma redução no preço da gasolina. "A queda não está totalmente concretizada e não sabemos ainda de quanto ela poderá ser", disse. Por fim, ela observou que o aumento da tarifa de energia elétrica no final do ano passado deverá refletir apenas este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.