Para Duhalde, modelo do FMI fracassou na AL

O presidente da Argentina, Eduardo Duhalde, afirmou hoje que nenhum futuro presidente do país seria capaz de implementar um modelo econômico baseado na disciplina fiscal estrita. Em um comício na Província de San Juan, Duhalde disse que as recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI) fracassaram e que ele mesmo adotou políticas que se afastam da ortodoxia pregada pelo Fundo, em áreas como preços de combustíveis e controle de bancos.Ele também culpou o FMI pelo fato de as províncias não terem dinheiro para recomprar os sete bilhões de pesos que estão circulando na forma de bônus provinciais. "Acho que qualquer candidato vai ser pressionado pela população a levar adiante um modelo ligado à produção, porque os modelos de ajuste estrutural fracassaram totalmente na América Latina", disse Duhalde. Ele criticou os países ricos por suas políticas "obscenas" de protecionismo comercial na área agrícola. "Isso é um projeto da globalização que nos prejudicou."O presidente também declarou-se contra a privatização dos bancos estatais argentinos. "Acho que os argentinos não vão permitir a privatização dos bancos públicos", afirmou. Ele disse ainda que não permitirá o repasse da alta dos preços internacionais do petróleo aos consumidores. "O governo entende que os argentinos não deveriam pagar mais por combustíveis e derivados de petróleo por causa de uma guerra", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.