Para 'Economist', divisas do pré-sal podem ser 'maldição'

Revista ressalta que gastar bem o dinheiro gerado pelas reservas significa um "problema agradável" para o Brasil

BBC Brasil,

04 de setembro de 2009 | 09h37

Um artigo na edição desta semana da revista britânica The Economist afirma que a exploração das reservas pré-sal pode se transformar em uma "maldição". O artigo afirma que a preocupação é que "o dinheiro seja gasto hoje e não poupado ou investido, inchando ainda mais um Estado cujos gastos equivalem a 36% do PIB, comparado com 20% do México."

 

Veja também:

especialO novo marco regulatório do petróleo

especialO caminho até o pré-sal

especialMapa da exploração de petróleo e gás 

 

A proposta de criação da Petro-Sal, empresa designada para representar os interesses do Estado na exploração do pré-sal, também preocupa.

 

"Em tese, ela deveria ser uma entidade pequena, composta por técnicos. Na prática, ela pode inchar, especialmente se controlada por políticos que a podem abarrotar de aliados."

 

A revista ressalta que gastar bem o dinheiro gerado pelas reservas significa um "problema agradável" para o Brasil e que a nação "está em melhores condições de fazer isto do que muitos países".

 

"Dependendo de como for usada, esta nova riqueza pode ajudar o país a superar a pobreza e o subdesenvolvimento, ou exagerar seus hábitos gastadores."

 

"Qualquer um que esteja acompanhando os recentes escândalos de corrupção no Congresso brasileiro sabe que os legisladores do país são capazes deste tipo de desastre", afirma o artigo publicado nesta última quinta-feira, 4.

Tudo o que sabemos sobre:
pré-salEconomist

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.