Para economista, variação do preço do petróleo é inevitável

Ao longo dos últimos meses, a tendência vem se repetindo com teimosia: períodos de ligeira queda dos preços do petróleo são sucedidos por movimentos de alta e nervosimo. A economista Paula Subbacchi, do Royal Institute of International Affairs, de Londres, acredita que o sobe e desce nos preços será inevitável nas próximas semanas. ?Há muitos fatores geopolíticos que continuarão enervando os mercados?, disse Subbacchi à Agência Estado. Ela não descarta inclusive , ?momentos de pânico? que poderão levar o Brent momentaneamente para a casa dos US$ 40. A analista acredita que no segundo semestre os preços poderão sofrer uma queda mais acentuada. ?Como os fatores geopolíticos são temporários e há uma expectativa de aumento de oferta pela Opep, o Brent poderá ficar por algum tempo na faixa entre US$ 28 e US$ 30?, disse. ?No final do ano, com o aumento da demanda no inverno no hesmifério norte, os preços ficarão pressionados outras vez.?No médio e longo prazos, a economista acredita que há uma tendência de o petróleo se manter em níveis de preços elevados. ?Com a perspectiva de continuidade da recuperação econômica global ea limitações no aumento sustentável da produção, acreditamos que os preços deverão ficar em níveis elevados?, disse. ?Isso sem contar com possíveis problemas políticos na Arábia Saudita, maior produtor mundial.? Subbacchi, no entanto, afirma que o impacto da alta do petróleo sobre a economia mundial neste ano e em 2005 será apenas marginal. ?Mas se vermos preços muito elevados por um período mais longo, o efeito negativo poderá se ampliar?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.