Para economistas, recálculo das dívidas dos Estados será desastroso

entrevista

E-Investidor: "Juro baixo tira o dinheiro dos rentistas e leva para as empresas", diz CEO da Valora

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Para economistas, recálculo das dívidas dos Estados será desastroso

Consultores do Senado afirmam que mudança trará riscos à estabilidade fiscal e macroeconômica

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2016 | 22h07

BRASÍLIA - Um boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Consultoria Legislativa do Senado Federal alerta que a adoção do regime de juros simples no recálculo da dívida dos Estados poderá dar suporte a amplo confisco de poupanças públicas e privadas. De autoria dos consultores Marcos Mendes e Daniel Carvalho, o boletim avalia que a demanda apresentada pelO Estado de Santa Catarina ao Supremo Tribunal Federal (STF), se aceita, implicará elevados riscos à estabilidade fiscal, macroeconômica e à segurança dos contratos.

O boletim destaca que a discussão da matéria por meio do pleito de Santa Catarina exigirá do STF a retomada da discussão sobre a amplitude da vedação do uso de juros compostos em operações de crédito. “Uma decisão de caráter definitivo em favor do Estado pode funcionar como precedente para a retomada de demandas para limitação do uso de juros compostos em várias operações de caráter público e privado”, destaca o boletim. Os consultores afirmam que essa decisão poderá ser desastrosa para a economia. “A remuneração dos poupadores continuará sujeita a juros compostos, enquanto a captação de recursos pelas instituições financeiras não terá o mesmo tratamento”, alertam.

Reciprocidade. Na avaliação dos consultores, que fizeram uma ampla análise do cálculo do impacto da mudança de recálculo da dívida de juros simples por compostos, o pleito de Santa Catarina carece de “mérito e substância jurídica”. De acordo com os dados do boletim, o desconto da dívida chegaria a 78% em relação ao estoque da dívida de 24 Estados e do Distrito Federal verificado em janeiro de 2013, o equivalente a R$ 313,33 bilhões. Pelos dados, 13 Estados virariam credores da União. Ou seja, o governo federal ficaria com uma dívida com eles.

Maior devedor em valores nominais, o Estado de São Paulo, que tem um dívida de R$ 186,39 bilhões, teria um desconto de R$ 138,33 bilhões, abocanhando 44,1% do total dos descontos.

O desconto para o Rio de Janeiro seria de R$ 33,392 bilhões, com a dívida caindo para R$ 14,42 bilhões.

Entre os vários argumentos técnicos apresentados pelo boletim contra a mudança da forma de correção, está o do princípio de reciprocidade e do tratamento isonômico. “Não cabe falar em aplicar juros simples à dívida estadual refinanciada pela União, pelo simples fato de que para viabilizar esse refinanciamento, a União endividou-se pagando juros compostos”, afirma o texto do boletim.

Para os consultores, haverá quebra de isonomia se a demanda de Santa Catarina prosperar e a União tiver que se endividar a juros compostos para financiar os Estados a juros simples.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.