finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Para economistas, balança comercial deve voltar ao azul este ano

Melhora do resultado deve ser sustentada pela queda nas importações, por causa do dólar forte e do consumo interno fraco

Márcia De Chiara, O Estado de S. Paulo

05 de janeiro de 2015 | 22h13

Depois de a balança comercial registrar em 2014 o primeiro déficit em 14 anos, a expectativa dos economistas é que o saldo volte para o azul neste ano, mas com resultados bem modestos.

As projeções de superávit das consultorias econômicas ouvidas pelo Estado oscilam entre US$ 1,5 bilhão e US$ 5 bilhões. Apesar de as projeções serem muito variadas, os economistas concordam num ponto: o superávit deve ser sustentado pela queda na importações.

“Em 2015, vamos ter novas baixas nas importações e nas exportações”, prevê Bruno Lavieri, economista da Tendências Consultoria Integrada. A consultoria projeta superávit comercial de US$ 1,5 bilhão, com exportações de US$ 223,5 bilhões e importações de US$ 222 bilhões. Nas contas do economista, as importações devem recuar 3% por causa da desvalorização do real em relação ao dólar e do consumo interno fraco.

As exportação também vão recuar, mas a retração terá menor intensidade, menos de 1%. É que a queda dos preços em dólar das commodities no mercado externo deve, segundo Lavieri, prevalecer sobre a desvalorização do câmbio, que poderia ajudar as exportações.

“A desvalorização do real pode ser que ajude um pouco, mas não será suficiente para mais que compensar a queda de preços das exportações”, afirma Lia Valls, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia.

“Em 2015, teremos um saldo levemente positivo de US$ 2 bilhões”, prevê o diretor de pesquisa da GO Associados, Fabio Silveira. Ele atribui parte desse desempenho ao câmbio, que deve conter as importações, e ao avanço das exportações de petróleo. Segundo ele, a perspectiva para o resultado da balança comercial deste ano poderia ser muito pior se a economia americana não estivesse em recuperação, o que, na sua avaliação, amplia as exportações brasileiras para os EUA.

Já Francisco Pessoa Faria, economista da LCA Consultores, acredita que a recuperação da economia americana ajuda pouco o resultado comercial do País. “O crescimento dos EUA tem mais a ver com a oferta e redução de custos, especialmente da energia, e tem impacto limitado. Além disso, a América Latina, que importa produtos do Brasil, está ruim.”

Faria espera um superávit entre US$ 4 bilhões e US$ 5 bilhões para este ano, baseado na queda das importações. Ele ressalta que a queda na importação do diesel, em razão da produção da Refinaria Abreu e Lima, deve ajudar a reduzir as compras externas. 

Tudo o que sabemos sobre:
balança comercial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.