Para economistas, crescimento em 2007 não chega a 4%

Nem mesmo os economistas mais otimistas acreditam num crescimento superior a 4% para a economia brasileira este ano. Entre os profissionais que fazem projeções dos indicadores para bancos e consultorias, a expectativa mais elevada é a do ABN Amro, que espera uma expansão de 3,8% em 2007. Ainda assim, está longe da meta de 5% anunciada pelo governo durante a campanha eleitoral. O presidente já deixou de usar o número. Mas o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo reafirmou no dia da posse de Lula que esta continua sendo a meta do governo. "Nós precisamos ter fé. O Brasil vai sim crescer 5%?, disse o ministro.Na média, a expectativa de economistas e analistas é de uma expansão de 3,5% em 2006, de acordo com a pesquisa feita semanalmente pelo Banco Central com uma centena de bancos e instituições financeiras atuando no País."Meta política"O economista Jankiel Santos, do holandês ABN Amro, diz que acha "muito pouco provável" conseguir uma expansão de 5%. ?Vejo muito mais como uma meta política do que econômica?, diz ele. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão do Ministério do Planejamento, estima um crescimento de 3,6% para este ano.O economista Alexandre Lintz, economista-chefe do Banco BNP-Paribas para o Brasil, é mais pessimista, com uma projeção de 2,9%. ?A chance de chegar a 5% é muito pequena?, afirma.Lintz diz que o forte ritmo atual do consumo aliado à capacidade ociosa do setor produtivo permite uma expansão mais acelerada do que isso, mas acha que um crescimento de 5% nas condições atuais traria problemas para 2008.?Se crescer 5% este ano, no ano que vem vai ser zero. O país não consegue manter um ritmo desses sem um aumento dos investimentos?, afirma. ?Dá pra crescer no máximo uns 6% nos dois anos juntos?, diz.O que segura os investimentos, diz ele, é a falta de um ambiente propenso a negócios, com muita burocracia e instabilidade de regras, por causa de agências reguladoras fracas.A previsão da consultoria Tendências também é abaixo da média, de 3,2% para este ano.IndústriaO setor produtivo também espera uma expansão menor do que a estimada pelo governo. A Confederação Nacional das Indústrias (CNI) projeta um crescimento de 3,4% para este ano.?É muito difícil crescer 5% em 2007. Um crescimento mais elevado seria o resultado de um grande esforço, que não se materializa de uma hora para outra?, afirma o economista da entidade, Flávio Castelo Branco.Ele também diz que é preciso aumentar o nível de investimento tanto público quanto privado, para melhorar a infra-estrutura do país e evitar que uma expansão mais acelerada esbarre em gargalos ao crescimento futuro, como o abastecimento de energia elétrica, gás, portos e rodovias.?O setor público precisa recuperar sua capacidade de investimento. Mas para sobrar recursos para investimento é preciso cortar os gastos correntes, porque não dá para aumentar os impostos?, diz Castelo Branco. Segundo ele, o investimento precisa aumentar dos atuais 20% do PIB para pelo menos 24%, 25%. ?Nos países asiáticos fica em torno de 30%?, afirma.PACO Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), cuja divulgação é esperada desde dezembro e só deve sair em duas semanas, é visto com ceticismo pelos analistas.?Estou esperando pra ver?, diz Jankiel Santos. ?A única coisa que o governo fez até agora foi criar a sigla? acrescenta Lintz. O governo já antecipou que as medidas para tentar acelerar o crescimento devem incluir redução de impostos para algumas áreas e corte de despesas públicas em alguns setores do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.