Reuters
Reuters

Para economistas, indexação dificulta queda do IPCA

Resistência dos preços no setor de serviços pode retardar cumprimento da meta de inflação no ano que vem

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2016 | 05h00

Na avaliação dos economistas, a resistência dos preços dos serviços é um dos fatores que pode retardar o cumprimento do centro da meta de inflação, prevista para 4,5% em 2017.

“A indexação ainda é muito forte na economia brasileira”, afirma o economista Fabio Silveira, sócio-diretor da consultoria MacroSector. Silveira observa que vários contratos de prestação de serviços são corrigidos pela inflação passada. Isso deve dificultar a convergência da inflação para o centro da meta no ano que vem. A consultoria projeta que a inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique em 6% em 2017. Para este ano a projeção é 7,2%.

Fábio Romão, economista da LCA Consultores, concorda com Silveira, da MacroSector. “A resistência da inflação de serviços é um dos obstáculos para que se atinja a meta em 2017”, observa Romão.

Ele calcula que o IPCA de 2017 deve ficar em 5,2% e a inflação de serviços tende a recuar para 6,4%. A desaceleração dos serviços para 2017 prevista pelo economista será de 0,7 ponto porcentual, um ritmo mais lento que o registrado este ano que, nas suas contas, terá um recuo de um ponto porcentual.

“A desaceleração dos serviços deve ser mais lenta ao longo do ano que vem, porque haverá uma melhora da atividade e da renda. Conforme a confiança for melhorando e a atividade ganhando corpo, ainda que gradualmente, é natural que o ritmo de desaceleração dos serviços vá se reduzindo”, afirma Romão.

A esses fatores, o economista acrescenta mais um obstáculo ao cumprimento do centro da meta no ano que vem: a alta dos preços administrados, aqueles cujo reajuste é autorizado pelo governo, como água, energia, ônibus.

Para 2017, o economista da LCA projeta uma alta de 5,7% dos preços administrados, que devem subir 6,5%, depois da alta extraordinária de 18% em 2015. Diante dos últimos anos, o reajuste dos preços administrado esperado para este ano e o próximo pode parecer pequeno. Mas, entre 2008 e 2014, a media dos reajustes do setor foi 3,7% ao ano.

Mais conteúdo sobre:
Silveira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.