Para entidade, propostas de Obama e McCain elevam dívida dos EUA

As isenções fiscais prometidas porambos os candidatos à Presidência dos Estados Unidos podemaumentar em trilhões de dólares a dívida públicanorte-americana nos próximos dez anos, disse um grupo deestudos tributários na quarta-feira. Os analistas da Brookings Institution e do Instituto Urbancalculam que as propostas do republicano John McCainrepresentariam uma perda de receita na ordem de 3,72 trilhõesde dólares entre 2009-2018, tomando por base o atual regimetributário. Já os projetos de Obama implicariam perdas de 2,73 trilhõesde dólares no período. As propostas do candidato democratalevam a uma maior taxação dos mais ricos. Quando incluídos os juros do período, as propostas deMcCain representam um aumento de 4,5 bilhões de dólares nadívida pública. As de Obama elevam a dívida em 3,3 trilhões poresse critério. "Parece realmente improvável que eles equilibrem oorçamento", disse Leonard Burman, diretor do Centro de PolíticaTributária mantido pelas duas instituições em Washington. O cálculo pressupõe que os gastos públicos se manterãoequivalentes aos deste ano. McCain propõe prorrogar as isenções parciais concedidas em2001 e 2003 pelo governo Bush no imposto de renda e no impostosobre ganhos de capital (benefícios que devem expirar em 2010).Ele também defende outras isenções e reduções fiscais parapessoas físicas e jurídicas. Obama sugere manter parte dos atuais benefícios fiscaispara norte-americanos de baixa e média renda, mas elevando asalíquotas para os contribuintes mais ricos. Ele também propõenovos abatimentos fiscais para mutuários e trabalhadores debaixa renda, isenções totais para idosos que ganhem menos de 50mil dólares por ano e mais descontos por dependente. O Centro para a Política Tributária disse que McCainpromete reduzir impostos para todo o espectro econômico, masque os maiores beneficiários seriam os 0,1 por cento mais ricosda população --cerca de 150 mil indivíduos, cuja renda líquidasubiria cerca de 11,6 por cento. Para os 20 por cento mais pobres, as propostas de McCainrepresentariam um aumento de apenas 0,9 por cento na rendalíquida. As propostas de Obama levam a um cenário inverso: os 20 porcento mais pobres ganhariam 6,2 por cento, enquanto os 0,1 porcento mais ricos veriam sua renda líquida declinar 5,1 porcento. Burman lembrou que a análise só leva em conta aarrecadação, e não os gastos, e que a dívida pública podeaumentar consideravelmente devido às propostas políticas deObama (como o seguro-saúde universal) e de McCain (continuidadeda guerra do Iraque). A entidade disse que vai atualizar os cálculos conforme oscandidatos divulgarem mais propostas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.