Para estimular mercado, Alencar retoma defesa de juro baixo

O vice-presidente da República, José Alencar, alertou hoje que o País precisa, a partir de agora, depois do controle da inflação, se preocupar "seriamente" com o problema dos elevados custos de capital. Durante a apresentação do Plano Diretor do Mercado de Capitais na Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alencar disse que não há como retomar o desenvolvimento dos negócios em bolsas de valores, enquanto as atividades produtivas não puderem remunerar os custos do capital. Ou seja, a lucratividade do negócio precisa ser superior ao custo com taxa de juros para que o mercado de capitais seja mais atraente.Com base nesta conclusão, o vice-presidente ponderou que é hora de todos se unirem num trabalho de quase uma cruzada para a redução do custo de capital ? queda das taxas de juros. Ele disse que os espaços estão abertos para a queda dos juros. Ele reiterou que é impossível retomar o desenvolvimento sem a redução do custo de capital.O diretor de Política Monetária do Banco Central, Luiz Augusto Candiota, afirmou que o BC é um grande incentivador do desenvolvimento do mercado de capitais no País. Segundo ele, o grupo de trabalho criado pelo governo para estudar propostas para o desenvolvimento de mercado de capitais e poupança de longo prazo no País deverá buscar soluções para incentivar o investimento privado, reduzir o custo de capital e estimular a geração de crédito . Regras prontasTambém neste evento, o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Luiz Leonardo Cantidiano, afirmou que sob o ponto de vista de regulamentos, o mercado de capitais brasileiro já está pronto para crescer. Segundo Cantidiano, desde maio do ano passado, quando começou a ser discutido o plano diretor do mercado de capitais, a CVM deu início a elaboração de uma série de resoluções que permitem o desenvolvimento do mercado. Ele chamou atenção, no entanto, para o fato de que regras sozinhas não são solução para o desenvolvimento do mercado de capitais do País. "É preciso que a condição macroeconômica ajude. Como ela está melhorando, a tendência é que o mercado de capitais de desenvolva", afirmou. Para ele é importante que a Bolsa ganhe sustentação, já que isso funcionará como primeiro passo de um círculo virtuoso, que terá como etapa seguinte a abertura de capital de novas empresas, aumentando assim a liquidez do mercado de capitais.CríticasO presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), deputado Armando Monteiro Neto, afirmou que algumas das normas que regulamentam as relações dos investidores com as empresas ainda não foram adaptadas às necessidades atuais. Segundo ele, essa adaptação é uma tarefa de fundamental importância que o governo deverá fazer no marco regulatório. Na avaliação do empresário, essa falta de adaptação "encarece, emperra e muitas vezes inviabiliza" os negócios no País. Segundo ele, os fundos de pensão podem desempenhar um importante papel como um dos principais instrumentos para a democratização do capital "permitindo que os trabalhadores participem do processo produtivo, não apenas com a venda de sua força de trabalho, mas também com sua poupança financeira?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.