Para evitar nova crise, Merkel pede mais coordenação

Para chanceler alemã, diferentes níveis de competitividade dos países atrapalha o fortalecimento da Europa

, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2011 | 00h00

BERLIM

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, exigiu ontem mais coordenação econômica e eficiência dos países integrantes da zona do euro. A principal preocupação de Merkel é garantir a estabilidade do euro e evitar uma nova crise econômica.

A chefe de governo da Alemanha estimulou os países - que compartilham o euro como moeda - a instaurarem uma "economia comum" baseada "em princípios funcionais reconhecidos por todos". "A diferença de competitividade de cada país é um problema que tem prejudicado o euro e é a questão que precisamos vencer", disse Merkel, durante uma conferência em Friburgo, no sudoeste da Alemanha.

Merkel destacou que o esforço conjunto dos governos para trabalhar e defender instituições comuns deve ser ainda maior do que é praticado atualmente.

Para Merkel, o Pacto de Competitividade, que será debatido pelos líderes da União Europeia nos dias 24 e 25 de março, irá buscar esse objetivo.

O pacto foi uma iniciativa dos governos francês e alemão e de outros países que ainda não foram tão afetados pela recente crise econômica. Já houve uma reunião entre os países favoráveis ao pacto para discutir o assunto, apesar de relutância de algumas outras nações.

Acordo. Sobre a aprovação desse acordo, Merkel reconheceu que as negociações serão difíceis, mas ressaltou que um acordo é necessário, antes que uma possível recuperação econômica esfrie o debate sobre ações conjuntas necessárias para a criação de políticas comuns na região.

A líder alemã aproveitou para apelar pela intervenção do Estado na economia e, dessa forma, assegurar que o "Estado é o guardião de um renascimento." Merkel também classificou como necessário o estabelecimento de um novo marco financeiro internacional. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.