Para evitar perda de R$ 15 bi, governo muda lei que beneficia ruralistas

coluna

Coluna Dan Kawa: Juro baixo é bom, mas impõe desafio ao investidor

Para evitar perda de R$ 15 bi, governo muda lei que beneficia ruralistas

Equipe econômica diz que falta dinheiro para bancar programa que previa renegociação de dívidas de pequenos produtores rurais com descontos de até 95% no saldo devedor

Idiana Tomazelli, Gustavo Porto e Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2018 | 22h00

O governo reagiu às investidas do Congresso, que vem aprovando medidas que aumentam os gastos públicos, e decidiu cortar R$ 15,5 bilhões em benefícios que haviam sido aprovados pelos parlamentares ao setor agrícola. A equipe econômica diz que falta dinheiro para bancar o programa, que previa a renegociação de dívidas de pequenos produtores rurais com descontos de até 95% no saldo devedor, diferença que seria bancada pelo Tesouro Nacional.


Uma Medida Provisória, com vigência imediata, foi editada para reduzir os abatimentos e restringir o alcance da repactuação dos débitos, alguns contratados há mais de uma década. O projeto original contemplaria produtores de todo o Brasil e teria custo de R$ 17 bilhões só em 2018. Sem dinheiro em caixa, o governo já havia determinado aos bancos públicos que não efetuassem nenhuma repactuação com os produtores rurais, ou teriam de arcar com o prejuízo, com antecipou, em maio, o Estadão/Broadcast. 

+ Medidas do ajuste fiscal emperram

Agora, a MP restringe o alcance apenas a pequenos produtores agrícolas do Norte e Nordeste, reduzindo o custo a R$ 1,6 bilhão neste ano, condicionado à inclusão dessa despesa no Orçamento. “Não adianta a gente criar um programa que nem tem orçamento nem tem caixa para ser pago”, diz o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida.

+ TCU cobra explicações sobre perdas com Refis

Segundo apurou a reportagem, a área econômica avalia como minimizar o impacto de outras benesses concedidas pelo Congresso, como a ampliação dos descontos no parcelamento de débitos tributários (Refis) do Funrural – imposta por uma das bancadas mais influentes e que dá sustentação ao governo – e a criação do Refis para pequenas empresas. 

+ Agronegócio perde R$ 500 milhões por dia por conta do frete, diz CNA

O governo ainda deve encaminhar um projeto de lei para regulamentar a concessão de empréstimos subsidiados pelo Tesouro aos Estados para que eles quitem os pagamentos pendentes de precatórios (valores devidos pelo governo após sentença definitiva na Justiça). A previsão desses financiamentos foi incluída pelos parlamentares na Emenda Constitucional 99, promulgada no ano passado. A equipe econômica já avisou, porém, que a regulamentação não significa acesso imediato à ajuda da União.

+ Temer edita MP que prorroga prazo de adesão ao Funrural até 30 de outubro

A renegociação das dívidas do setor rural e a ampliação de benefícios nos Refis trilharam o mesmo caminho: nasceram de mudanças feitas pelos parlamentares, foram vetadas pelo presidente Michel Temer e acabaram restabelecidas pelo Congresso, que pode derrubar ou manter vetos presidenciais. O problema é que os vetos caíram sem que houvesse dinheiro previsto no Orçamento para bancar a conta.

O Tribunal de Contas da União (TCU) chegou a emitir um alerta ao governo, uma vez que a concessão dos benefícios sem nenhum tipo de compensação fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Para bancar o bolsa caminhoneiro, a um custo de R$ 13,5 bilhões, a equipe econômica precisou remanejar gastos e comprar briga com outros setores com poder de pressão ao cortar incentivos fiscais e tributários.

Nos moldes do texto aprovado pelo Congresso, o programa de renegociação de dívidas rurais – algumas contratadas há mais de uma década – contemplaria produtores de todo o Brasil e teria custo de R$ 17 bilhões só em 2018. Sem dinheiro em caixa, o governo já havia determinado aos bancos públicos que não efetuassem nenhuma repactuação com os produtores rurais, ou teriam de arcar com o prejuízo.

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, afirmou que não só pequenos produtores, mas também médios e grandes estavam sendo beneficiados pela medida. “A MP reduz substancialmente esse custo fiscal possível, pois agora a renegociação e o abatimento no valor da dívida é restrito a pequenos produtores agrícolas, apenas na região Norte e Nordeste”, explicou. Com a mudança, o custo cai a R$ 1,6 bilhão neste ano, condicionado à inclusão dessa despesa no Orçamento de 2018.

Um dos negociadores da inclusão do programa de renegociação das dívidas dos produtores, o deputado federal Afonso Florence (PT-BA) criticou a decisão e disse que ela representa “descaso total com a agricultura familiar”. Segundo o petista, há recursos dos fundos constitucionais de financiamento do Norte e do Nordeste (FNO e FNE) previstos para a revisão das dívidas e que a bancada poderá até questionar a constitucionalidade da medida do governo.

O secretário do Tesouro reconheceu que o Congresso poderá mudar o texto da Medida Provisória durante a tramitação – o que tem sido comum nas propostas encaminhadas pelo governo por meio desse instrumento. Mas alertou que, caso isso aconteça, o Congresso vai ter de definir de onde virá o dinheiro para bancar a fatura. “Não adianta a gente criar um programa que nem tem orçamento nem tem caixa para ser pago”, alertou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.