Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Para executivo, jovens terão oportunidade de questionar os CEOs

Em sua primeira edição no Brasil, o programa "CEO por um dia" vai levar nove universitários para ser a "sombra" do presidente de uma grande empresa. É uma parceria do Estado com a PDA Internacional e Odgers Berndtson, a consultoria que lançou o projeto no mundo há sete anos. Ele já foi realizado na Espanha, Alemanha, Finlândia, África do Sul, em Portugal e no Canadá.

O Estado de S.Paulo

22 de março de 2015 | 02h09

O presidente da Odgers Berndtson, André Freire, diz que serão selecionados jovens com características potenciais de liderança, trabalho em equipe, resiliência e capacidade analítica, além de força de vontade para crescer na carreira, gerando valor como futuros executivos ou empreendedores.

O processo seletivo terá três etapas (veja quadro). Será realizado por sócios da Odgers, "acostumados a contratar para os níveis mais altos das organizações", conforme afirma Freire. Ele destaca que os 50 semifinalistas passarão pelo mesmo processo de assessment usado para contratação de CEOs e diretores. "Esses jovens receberão relatório que servirá como guia para seu desenvolvimento, com feedback sobre suas habilidades de liderança e pensamento estratégico", conta.

Os 20 finalistas serão entrevistados pessoalmente em São Paulo, onde vão discutir sua carreira com headhunters. Além de networking, poderão desenvolver habilidades comportamentais. "Os jovens terão a oportunidade de questionar o CEO a respeito de fatores de sucesso, aprendendo sobre sua abordagem de liderança, carreira e responsabilidades", diz Freire.

O presidente da Coca-Cola Femsa Brasil, José Martinez diz que um dia pode ser pouco. "Mas os estudantes verão, na realidade, o que ainda está muito distante do mundo acadêmico", acrescenta. É uma rara oportunidade de olhar a empresa por dentro, alega o CEO da Philips, Henk Jong, que também vê benefícios para a universidade: "É positivo desenvolver ligações com empresas internacionais para uma possível futura cooperação".

Para quem pensa em chegar ao topo, o mais importante é saber lidar com as cobranças de forma tranquila e racional, afirma a presidente da UPS Brasil, Nadir Moreno. "E para conquistar resultados, é fundamental confiar na sua equipe."

Freire acredita que haverá uma troca. "O estudante terá muito o que aprender", diz. "E vamos dar aos CEOs a oportunidade de conectar-se e compreender melhor o que impulsiona a próxima geração de líderes." / H.V.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.