finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Para Fazenda, decisão da Moody’s sobre rating reflete situação passada

Ministério diz que mudança de perspectiva reflete fatores que afetaram o crescimento econômico no 1º semestre e que já estão sendo superados; Dilma evita comentar

Renata Veríssimo, Victor Martins e Laís Alegretti, Agência Estado

09 de setembro de 2014 | 17h14

O Ministério da Fazenda comentou, por meio de nota, a mudança de perspectiva da nota de crédito brasileiro pela agência de classificação de risco Moody's. Para a Pasta, a decisão reflete fatores conjunturais que afetaram o crescimento econômico do País no primeiro semestre. Por isso, o órgão diz que a revisão da perspectiva para o Brasil não condiz com a evolução da economia do segundo semestre. A avaliação é de que os problemas que levaram a percepção pior da agência estão sendo superados. A presidente Dilma Rousseff, questionada durante evento em São Paulo, não quis comentar o assunto.

A Fazenda ainda listou a recuperação internacional mais lenta, problemas climáticos e a menor quantidade de dias úteis como motivos para o baixo crescimento e para a revisão de perspectiva. "A demora na recuperação internacional, com a maioria dos países em marcha lenta, combinada a uma das secas mais intensas da história recente e a menor quantidade de dias úteis no primeiro semestre resultaram num crescimento menor do que o esperado no período", argumentou a Fazenda.

A agência de classificação de risco Moody's revisou a perspectiva do rating Baa2 do Brasil de estável para negativa. Segundo a agência, a mudança se aplica a todas as classes de ratings do governo brasileiro.

A Moody's explicou que os principais determinantes para a revisão da perspectiva do rating foram a redução sustentada no crescimento econômico, que mostra pouco sinal de retorno ao potencial no curto prazo; a deterioração acentuada no sentimento do investidor, o que tem afetado negativamente a formação bruta de capital fixo; e os desafios fiscais que estes obstáculos econômicos impõem, impedindo a reversão da tendência de elevação nos indicadores da dívida do governo. 

Recuperação. O Ministério da Fazenda, que ficou com a missão de comentar o assunto, reforçou, na nota, o discurso de que o Brasil é uma economia sólida e que, já no segundo semestre, iniciou uma trajetória de "gradual recuperação". O entendimento da pasta é de que essa retomada terá continuidade ao longo do próximo ano. Segundo o comunicado, reforçam essa visão indicadores econômicos recentes apontando queda na inflação, aumento da produção industrial, além de um maior número de dias úteis e a perspectiva de recuperação da economia mundial.

"Cabe destacar ainda que a última emissão soberana do Tesouro Nacional é uma evidência de que o Brasil continua contando com a confiança dos investidores internacionais", disse a instituição. A Fazenda ainda destacou o ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) como indicador da solidez e confiança dos mercados internacionais no Brasil, recursos esses classificados na nota como elevados. A pasta ainda observou, como forma de subsidiar a visão de que a economia brasileira segue em ritmo de retomada, que a bolsa brasileira se valorizou em 30% nos últimos seis meses.

"O governo federal está implementando e vai acelerar ao longo de 2015 a execução de um grande programa de infraestrutura, que vai ampliar o crescimento do País e elevar a taxa de investimentos, fundamental para garantir um crescimento forte da economia brasileira nos próximos anos", informou a nota. "A própria Moody's reconhece a solidez e resiliência da economia brasileira, que conta com elevadas reservas internacionais; um perfil de dívida pública de baixo risco e pouca exposição cambial; e um sistema bancário sólido e capitalizado", defendeu.

Tudo o que sabemos sobre:
ratingmoodys

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.