Para Febraban, PIB deve fechar 2009 em queda de 0,3%

Nova estimativa está abaixo do previsto no último levantamento, mas ainda é mais otimista que pesquisa do BC

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

24 de junho de 2009 | 15h43

A pesquisa Febraban de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado de junho, realizada com 30 analistas de instituições financeiras, apontou que o Produto Interno Bruto (PIB) deve registrar uma queda de 0,3% este ano, resultado pior do que a marca de 0,01 negativo apurada no levantamento anterior, realizado em maio.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

De acordo com o economista-chefe da Febraban, Rubens Sardenberg, apesar de ter ocorrido uma piora no indicador, ele interpretou tal variação do dado como um resultado aproximado que indicaria uma tendência do Produto Interno Bruto registrar um resultado levemente negativo. "No entanto, esta projeção ainda é mais otimista do que a apurada pelo Banco Central na pesquisa Focus que apontou uma queda maior" (de 0,57%)", disse.

 

Na avaliação particular de Sardenberg, a queda de 0,01% apurada em maio pode ter refletido um certo otimismo dos analistas, o que indiretamente seria um reflexo da mudança de humor do mercado financeiro para uma perspectiva mais favorável de evolução do nível de atividade no Brasil em 2009.

 

O resultado de queda de 0,3%, por outro lado, indicaria uma correção dos economistas em relação à pesquisa anterior. "A próxima pesquisa deve indicar um resultado ao redor de 0% de expansão da economia neste ano", comentou.

 

Juros

 

Segundo Sardenberg, quase dois terços dos analistas ouvidos acreditam que a Selic será reduzida em 0,5 ponto porcentual no encontro do Copom que será concluído em 22 de julho. A parte restante dos entrevistados acredita que ocorrerá dois cortes de 0,25 ponto porcentual cada um nas próximas duas reuniões do BC este ano.

 

Essa taxa deverá, segundo os especialistas, ficar estável até o final de 2010. "Porém, no decorrer dos próximos meses, na medida em que a economia apresente uma evolução e possa avançar de 3,5% a 4% no último trimestre (em termos anualizados), a projeção de PIB para 2010, que é de 3,4%, deve subir, o que levantará a possibilidade de que, eventualmente, os juros poderiam voltar a subir em 2010", avaliou.

 

Os especialistas ouvidos na pesquisa Febraban acreditam que o cenário para a inflação é benigno, como projeta o próprio Banco Central, pois estima que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechará neste ano em 4,3%, uma taxa muito próxima dos 4,4% registrados no levantamento anterior.

 

Dólar

 

A pesquisa ainda mostrou avaliação positiva para o câmbio ao final de 2009 de 30 analistas de instituições financeiras entrevistados. As projeções para o dólar baixaram de R$ 2,17, em levantamento anterior feito em maio, para R$ 2,01.

 

Colaboram para a tendência de valorização do real ante o dólar os investimentos diretos estrangeiros, que devem atingir - segundo os especialistas - US$ 23,9 bilhões neste ano, marca superior em US$ 1,2 bilhão os US$ 22,7 bilhões apurados na pesquisa passada.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraPIBbancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.