Para fechar acordos na Argentina, Kirchner não virá ao Brasil

O presidente argentino Néstor Kirchner cancelou sua viagem ao Brasil para fechar acordos que envolvem anúncios de investimentos na Argentina. Segundo a assessoria de imprensa da Casa Rosada, o presidente está negociando com a petrolífera Repsol-YPF um investimento de US$ 130 milhões em obras para duplicar um gasoduto na região noroeste do país. Embora a obra mencionada tenha sido decidida em setembro último, somente agora o presidente conseguiu concluir alguns detalhes para concretizá-la. Segundo uma fonte ligada ao governo, o acordo fará parte de um pacote de anúncios de investimentos na Argentina que incluem ainda recursos dos governos da China e da Coréia do Sul. A Casa Rosada espera que, durante a visita do presidente da Coréia do Sul, Roh Moo Hyund, nos dias 14,15 e 16 próximos à Buenos Aires, seja anunciada a disposição daquele país em emprestar US$ 30 milhões para a Argentina, o que seria seu primeiro crédito pós-default. No dia 16, Kirchner receberá a visita do presidente da China, Hu Jintao, de quem também se espera o anúncio de investimentos no país. Apesar da justificativa oficial para a ausência de Kirchner na reunião de cúpula do Grupo Rio, uma fonte da Casa Rosada revelou à Agência Estado, que o presidente "não gosta deste tipo de reunião de cúpulas" porque considera que os encontros "acabam sendo improdutivos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.