Para FMI, Brasil é exemplo de sua ação preventiva

A vice-diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Anne Krueger, disse nesta terça-feira que o apoio dado ao Brasil em 2002 é um bom exemplo do papel do organismo multilateral em prevenções de crise que parecem iminentes e quando as políticas macroeconômicas parecem sólidas. "Até agora, o governo brasileiro tem mantido seu compromisso com políticas sólidas e sustentáveis e tem manifestado sua intenção de continuar fazendo isso", disse Krueger, ao discursar na conferência ´60 anos deBretton Woods - A governança do sistema financeiro internacional - olhando para o futuro´, realizada no Banco Central da Áustria, em Viena. Ela observou que os spreads cobrados sobre a dívida brasileira começaram cair mesmo antes das eleições presidenciais de 2002,e continuaram nessa trajetória depois do pleito, e o Banco Central brasileiro foi capaz de gradualmente "fazer significativas reduções" na taxa de juros. "O crescimento econômico recentemente ganhou força e isso deverá ajudar o governo a permanecer comprometido a políticas sólidas", disse.Anne Krueger disse que o FMI tem obtido um considerável progresso no trabalho de prevenção de crises ou no seu enfrentamento quando eles ocorrem. Ela alertou, no entanto, que a "complacência é perigosa", tanto para o Fundo como para os países. "A ausência de grandes crises quando uma ou mais eram esperadas não significa que nós, no Fundo, podemos relaxar, ainda mais sabendo que o aquecimento da economia global significa que os governos podem colocar de lado as reformas econômicas necessárias",disse. "Na verdade, para os governos, agora é o momento ideal para confrontar os problemas econômicos que eles enfrentam com o objetivo de tornar suas economias mais resistentes a choques." Segundo ela, o FMI considera que qualquer "espaço para respirarprecisa ser usado com sabedoria, para fortalecer o trabalho de prevenção de crises".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.