Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Para FMI, Brasil vive fase de 'fraca confiança'

Num cenário de baixo crescimento, baixo investimento e "fraca confiança" dos empresários, a prioridades do Brasil devem ser o combate à inflação, recomposição da segurança nas contas públicas e fortalecimento da infraestrutura, segundo o diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o Hemisfério, o mexicano Alejandro Werner. "Fraca confiança" é tradução literal da expressão usada por ele (weak confidence) para explicar a baixa disposição dos empresários para investir.

ROLF KUNTZ, ENVIADO ESPECIAL / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2014 | 02h09

Para a maior parte da América Latina vale a recomendação de uma política fiscal mais apertada, ou no mínimo neutra em alguns casos. A receita serve também para Colômbia, Chile e Peru, com finanças públicas "relativamente fortes" e déficits elevados na conta corrente do balanço de pagamentos.

Pelas projeções do FMI, a expansão econômica da América Latina e do Caribe deve diminuir de 2,7% em 2013 para 2,5% neste ano. Para o Brasil, a redução prevista é de 2,3% para 1,8%.

Com o aumento de juros iniciado há um ano o BC brasileiro está na direção certa, segundo Werner. Opinião semelhante aparece na agenda global de política da diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, mas com uma ressalva: países com inflação elevada podem precisar de juros ainda mais altos. A decisão do governo de cuidar das concessões de infraestrutura também é um passo na direção correta, acrescentou Werner.

A maior parte da América Latina enfrentará sem maiores problemas o aperto resultante da eliminação dos incentivos monetários americanos, se a retirada for gradual e ordenada. De toda forma, a economia será afetada pela redução do potencial do crescimento, associada a problemas de produtividade e de reedição do investimento.

Werner encontrou algo positivo para dizer sobre Argentina e Venezuela, destacando recente mudança cambial nos dois países e elevação de juros pelo banco central argentino. Nos dois países, no entanto, falta fazer muito mais para diminuir os desarranjos econômicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.