Para FMI, crise no Brasil é reflexo da agitação mundial

O diretor-gerente do FMI, Horst Koehler, disse hoje que o declínio contínuo nos mercados financeiros brasileiros não é necessariamente resultado dos problemas domésticos, e sim produto do nervosismo dos mercados no mundo todo. "Os mercados estão, em geral, irritados, voláteis e confusos", disse Koehler durante a reunião anual do FMI e do Banco Mundial (Bird), em Washington. Segundo ele, os mercados estão no limite, em decorrência de uma série de escândalos corporativos nos Estados Unidos e preocupações a respeito da força da recuperação econômica."Não é um acontecimento motivado especialmente pelo Brasil", disse Koehler. Ele repetiu a opinião de que o governo será capaz de reativar o crescimento econômico e evitar a reestruturação da dívida pública. "Esse país tem um enorme potencial para crescimento, produtividade, criação de empregos e comércio", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.