Para FMI, Petrobrás deve reduzir investimentos

Fundo aponta que a queda no preço do petróleo é um agravante para os planos da companhia; relatório anual também destaca o "efeito dominó" da Operação Lava Jato sobre as maiores construtoras do País

Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

12 Maio 2015 | 19h21

No seu relatório anual sobre o Brasil, o Fundo Monetário Internacional (FMI) dedica um box à Petrobrás, no qual afirma que a petroleira provavelmente terá de rever seu plano de investimentos e comenta que o contágio em razão da operação Lava Jato, da Polícia Federal, pode ser grande.

Lembrando a crise na companhia, o relatório aponta que, no fim de 2014, o valor de mercado da Petrobrás em dólar era mais de 80% inferior ao registrado cinco anos antes e o nível de endividamento da companhia era o maior do setor em todo o mundo. O Fundo aponta que o plano de investimentos para 2014-2015 prevê gastos de quase US$ 221 bilhões. Entretanto, desde que ele foi formulado, os preços internacionais do petróleo caíram quase pela metade, aproximando-se da taxa de break-even (preço mínimo a partir do qual a produção é viável), considerando o regime tributário atual.

O FMI aponta que em janeiro a Petrobrás anunciou a previsão de investimentos para 2015, que são quase 20% menores do que a média dos últimos anos, refletindo não só a queda do petróleo, mas a necessidade da companhia de conservar caixa. "Novas revisões do plano podem ser necessárias", diz o texto. É apontado ainda que o acesso a crédito se tornou mais difícil para o setor como um todo, com a situação da Petrobrás exacerbada pelas idiossincrasias da companhia. Outro problema é que as chances de novos empréstimos com bancos públicos são pequenas, pois eles já estão bastante expostos à companhia.

"A Petrobrás tem um grande 'colchão' para 2015, mas precisa reconquistar acesso a financiamentos para continuar expandindo a produção para além deste ano", afirma o FMI. Segundo a instituição, o principal risco é que a Petrobrás fique afastada dos mercados de dívida por um longo período. "Tal situação pode levar à necessidade de apoio financeiro do governo - direto e/ou indireto - colocando sob pressão os objetivos do governo de reduzir dívida."

Segundo o Fundo, o contágio da Lava Jato pode ser grande, já que a investigação envolve várias das maiores construtoras do País. A instituição cita que essas empresas podem enfrentar dificuldades para conseguir financiamentos, impactando possivelmente seus credores e fornecedores, como já ocorreu com a OAS. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.