Para FMI, real não está sobrevalorizado

O economista-chefe para a América Latina do Fundo Monetário Internacional, Anoop Singh, disse que o real não está sobrevalorizado. A prova, segundo ele, é que as exportações continuam crescendo. ?A exportação continua a crescer em dois dígitos, e não somente as commodities que tiveram valorização no mercado internacional, mas em todos os setores?, afirmou Singh numa entrevista coletiva em Washington, nesta sexta-feira, na véspera da reunião de primavera do FMI, em resposta a uma pergunta sobre o que o País deveria fazer em relação à sobrevalorização da moeda brasileira. ?Não concordo com esta afirmação?, disse. Ele disse que o Brasil conseguiu, nos últimos anos, construir uma capacidade de exportação que ?excedeu o que se pensava que seria possível há cinco anos?. Na avaliação dele, a recuperação do real está ligada à recuperação da economia, depois da crise de 2002. ?À medida em que outros setores se recuperaram da crise, o real também se recuperou. Não é só uma questão de taxa de câmbio, mas de competitividade da economia, que vem aumentando?, afirmou. "Bom histórico" Singh também disse que não está preocupado com a possibilidade de aumento de gastos públicos, mesmo em ano eleitoral. ?O Brasil tem um bom histórico de superávit fiscal e nesta semana isso foi reafirmado quando o governo mandou a Lei de Diretrizes Orçamentárias para o Congresso?, afirmou. O economista responsável pelo Brasil, Charles Collin, disse que o FMI ?apóia totalmente? o aumento de gastos públicos em programas como o Bolsa Família. ?Eles são instrumentais para reduzir a pobreza, mas haverá necessidade mais para a frente de discutir reformas mais fundamentais, como nos gastos carimbados?, disse. O FMI fez uma avaliação otimista para a economia da América Latina neste e no próximo ano. O crescimento como um todo será de 4,3%, com expansão em todos os países do hemisfério. A projeção, para o Brasil, é de 3,5%, um dos mais baixos, superior apenas ao previsto para o Equador (3%), Belize (2,7%) e Haiti (2,5%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.