Para Genro, consciência paralela pede desenvolvimento

O ministro Tarso Genro, secretário especial do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), disse hoje que há consciência de que a política econômica do governo está correta, mas há também uma consciência paralela de que é preciso transitar para um novo ciclo de desenvolvimento do País. O ministro observou que o conselho é um grupo de pressão sobre o governo. "Se o conselho não for um grupo de pressão ele perde a sua finalidade", disse. O ministro não quis marcar prazos para que sugestões do conselho venham a ser transformadas em medidas, mas observou que está sendo discutido sugestões para um pacote imediato. De acordo com ele, no dia 14 o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, dará a visão do governo aos integrantes do conselho sobre os fundamentos para o desenvolvimento. Tarso Genro citou que todos os conselheiros apoiaram a redução da taxa de juros, mas acharam que ela foi pequena. "A taxa de juros é uma questão técnica, mas também é uma questão política", disse. Ele afirmou ainda que é natural que os movimentos sociais tenham mais projeção na mídia porque o governo se originou nos movimentos sociais. Apesar disso, afirmou, sobre o MST, que "qualquer acinte ao estado democrático de direito será respondido", mas ele tem que ser respeitado como movimento social.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.