José Cruz/ Agência Brasil
José Cruz/ Agência Brasil

Para Ibaneis, proposta de reforma tributária do governo é 'muito ruim' por causa de Guedes

Governador do Distrito Federal também criticou o presidente Jair Bolsonaro por tentar empurrar para a conta dos gestores estaduais a responsabilidade pelo aumento do preço dos combustíveis

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2021 | 16h30

BRASÍLIA - Depois de participar da reunião do Fórum de Governadores, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, criticou duramente a proposta de reforma tributária enviada pelo governo ao Congresso. Para ele, a discussão do assunto está sendo feita de forma "atabalhoada" e prevê que o texto enviado pelo governo poderá causar um prejuízo para Estados e municípios de aproximadamente R$ 15 bilhões. 

"Essa reforma tributária, na posição de todos os governadores e da minha, de forma muito especial, é uma reforma totalmente atabalhoada. Ela traz um prejuízo para Estados e municípios da ordem de R$15 bilhões. E ela não traz nada de simplificação da cobrança dos tributos. Ela é uma reforma muito ruim. Já tenho dito isso em várias oportunidades. E reafirmou o quão ruim é essa reforma tributária", disse Ibaneis, logo após o encontro com os governadores.

Para o governador, a responsabilidade pelo problema é do ministro da EconomiaPaulo Guedes. "Ela é ruim por conta do Paulo Guedes. Foi ele quem encaminhou", afirmou. "O problema é que não é criado um imposto sobre consumo. Você simplesmente mexe nas alíquotas. É isso que ele está fazendo. Tanto no Imposto de Renda quanto em outros tributos. Essa reforma está muito mal discutida", avaliou.

O governo enviou duas propostas de reforma tributária ao Congresso. A primeira prevê a unificação do PIS e Cofins num novo tributo, batizado de Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS). O texto foi enviado em junho do ano passado, mas está com a tramitação parada. A segunda etapa, enviada em junho deste ano, propõe mudanças no Imposto de Renda cobrado sobre empresas, pessoas físicas e investimentos. 

As críticas de Ibaneis contra o governo não ficaram apenas na condução da reforma tributária. Mesmo próximo politicamente de Jair Bolsonaro, Ibaneis também não poupou o presidente de críticas por tentar empurrar para a conta dos governadores a responsabilidade pelo aumento do preço dos combustíveis. 

"Ele diz que a culpa do aumento dos combustíveis é por conta do ICMS dos Estados. Isso não é uma realidade. Isso é uma grande falácia que se coloca em relação aos Estados. O que nós temos é que houve este ano nove reajustes de combustíveis. É isso que está gerando aumento", lembrou.

"Isso é gerado também por conta de um assunto que nós debatemos e que vamos continuar debatendo. Que é a instabilidade política pela qual passa o Brasil e que faz o dólar chegar a quase R$ 6. E aí puxa todo o preço dos combustíveis. O que precisamos fazer é exatamente criar um ambiente de harmonia. Um ambiente em que o empresário consiga trabalhar. Que a gente tenha investimentos internacionais. Aonde a gente possa trabalhar num ambiente de tranquilidade. Se o dólar cai, o combustível, certamente, também vai cair", disse Ibaneis. 

Como mostrou o Estadão, o dólar tem grande influência nesse comportamento e não há sinal de que o real possa ganhar valor no curto e médio prazo. O preço da gasolina já ultrapassou R$ 7 em algumas Estados na última semana. Sempre citado por Bolsonaro, o ICMS, que é um imposto estadual, tem peso de quase 28% do valor final. O imposto estadual incide sobre o preço do combustível - o preço médio ponderado ao consumidor final, que é reajustado a cada 15 dias. Cada Estado tem competência para definir a alíquota. Segundo dados da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis (Fecombustíveis), ela varia entre 25% e 34% na gasolina, dependendo do Estado.

Na composição do preço da gasolina, a fatia da Petrobras é a maior, com 33%. A companhia detinha 98% do mercado de refino até 2019, quando se comprometeu com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) a vender metade de suas refinarias. Por enquanto, a única que já foi vendida é a da Bahia, que ficou com o Mubadala, o fundo soberano dos Emirados Árabes, mas a companhia tem prazo até dezembro deste ano para cumprir o acordo.

Impostos federais – Cide, PIS e Cofins – representam outros 11,6%. Os biocombustíveis, que também são incluídos na mistura final, também subiram de preço – caso do etanol anidro, que é adicionado na proporção de 27% na gasolina comum e representa 16% do preço final. 

Ibaneis disse "que não tem nenhum governador em seus Estados que tenha aumentado o valor do ICMS em combustíveis". "Ele é cobrado como há dez anos. Então, isso é uma falácia muito grande que se coloca na tentativa de culpar os governadores pelos nove aumentos que a Petrobrás produziu nos combustíveis", reclamou.

Para ele, é preciso o fim do ambiente de hostilidade entre as instituições para que estabilidade política retorne e reflita no ambiente econômico.

"O que estamos buscando é o fim desse ambiente onde se tenta impingir aos outros a culpa daquilo que está acontecendo, que é exatamente a instabilidade econômica pela qual o Brasil passa, porque levou o dólar a quase R$ 6. Esse é o ambiente que queremos dissipar. Mesmo com as diversidades políticas, temos de ter um ambiente de normalidade institucional", defendeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.