AFP / EITAN ABRAMOVICH
AFP / EITAN ABRAMOVICH

Para Instituto Internacional de Finanças (IIF), peso se estabilizará com ajuda do FMI

Instituto formado pelos 500 maiores bancos do mundo avalia que caso as negociações com o FMI sejam rápidas e ocorra pouca fuga de capital, o montante deve ser suficiente para acalmar o cenário

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 04h00

O peso argentino continua sobrevalorizado, mesmo após suas quedas recentes, mas um pacote de US$ 30 bilhões de ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI) provavelmente seria grande o suficiente para estabilizar a moeda, na avaliação do Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos 500 maiores bancos do mundo. Ainda segundo a entidade sediada em Washington, a Argentina poderia ser apenas “a ponta do iceberg” na situação dos mercados emergentes, no cenário atual.

+ Argentina vê crescimento menor este ano

O IIF diz que o peso continua sobrevalorizado, em termos efetivos. Para a entidade, caso as negociações com o FMI sejam rápidas e ocorra pouca fuga de capital, o montante citado pela imprensa local de US$ 30 bilhões deve ser suficiente para acalmar o cenário. 

O IIF afirma que a causa da crise argentina é um mix de políticas que levou a uma forte alta no déficit em conta corrente. Mesmo com o recuo recente, a sobrevalorização do peso só foi cortada pela metade, na avaliação do instituto, o que exigiria um pacote maior das autoridades para estabilizá-lo nos níveis atuais.

+ EUA apoiam negociação para socorro do FMI à Argentina

Outra questão, para o IIF, é se a Argentina é um caso específico ou se é apenas “a ponta do iceberg”. O instituto lembra que desde o início do ano já temia que as elevações de juros pelo mundo expusessem vulnerabilidades dos emergentes. Ele afirma que as moedas de muitos emergentes enfraqueceram tanto quanto ou mais do que em 2013, quando houve uma alta nos retornos dos bônus dos Estados Unidos diante da notícia de que haveria uma redução gradual do montante que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) colocava na economia, o que causou uma reação de cautela global. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.