bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Para JP Morgan, investidor está preocupado com Brasil

Os investidores de títulos de dívida dos mercados emergentes estão ficando mais avesos ao risco, de acordo com o banco norte-americano de investimentos J.P. Morgan. "No mês passado, os investidores aumentaram um pouco o "underweight" (posições abaixo da média) do mercado e aumentaram ligeiramente sua posição cash (de alta liquidez)", disse Jonathan Bayliss, presidente da unidade de estratégia quantitativa dos mercados emergentes da J.P. Morgan. Bayliss, que falou a 169 clientes para avaliar sua exposição aos emergentes, disse à agência Dow Jones que não espera entradas estratégicas significativas nesse tipo de ativo antes do outono (no Hemisfério Norte). Os clientes em questão respondem por um total de US$ 118 bilhões em investimentos em títulos de dívida dos mercados emergentes. "No mês passado, identificamos que o fluxo de recursos parecia muito mais forte do que no início do ano", disse Bayliss, mas "a amplitude do movimento de venda no Brasil, desde então, significa que o grosso desses ingressos deve agora ser adiado significativamente até que haja uma certeza razoável sobre o resultado das eleições em outubro". O J.P. Morgan apurou que os investidores reduziram sua exposição aos títulos de dívida do mercado emergente. Os investidores também aumentaram sua posição em cash. Os investidores continuaram reduzindo sua exposição ao Brasil em junho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.